quinta-feira, 24 de setembro de 2009


... TERIA PASSADO UMA MANTEIGUINHA.
Estórias de Dona Margarida, minha mãe. Aliás, contadora de estórias fantásticas, é minha mãe.
Diz que um dia uma pessoa pediu à Jesus que viesse visitá-la. E Jesus em locução interior lhe disse: “Pode esperar que virei lhe visitar um dia desses.”.
Um desses belos dias um mendigo apareceu na casa dessa pessoa e pediu: “Você poderia me dar um pouco de pão com café?” Ela respondeu-lhe:” Tenho aqui um pedaço de pão duro, toma e sai logo daqui, pois estou esperando a visita de alguém importantíssimo, e não tenho tempo pra gastar com você. Saia logo daqui!” O mendigo agradeceu pelo pão duro e saiu rapidinho. A pessoa importantíssima é Jesus, era por Ele que ela esperava.
E nada de Jesus aparecer. Daí ela queixou-se com Jesus: “Você nunca mente, esperei por Sua visita e você não veio por quê? Jesus respondeu-lhe: “Vim simmmmm”! Lembra aquele dia que um mendigo bateu em sua porta? Ela disse: Sim. Pois então... era eu.
A pessoa ficou toda desconcertada, sem saber o que dizer, de tão envergonhada. Respondeu: Então era você o tal mendigo? Jesus respondeu: Sim.
Ahhhhh!!! Jesus!!! “Porque você não me disse, se soubesse que era você, teria pelo menos passado uma manteiguinha no pão.” Rsrsrsrsrsrsrsr.
Que coisa horrível, nãooo??? Se ela soubesse que era Jesus, daria a Ele o pão duro, só que um pouco mais caprichado. Viu só?
Cuidado com quem bate a sua porta. Pode ser Ele. Pode ser Jesus. Será que você teria coragem de dar a Ele um pão duro... Talvez com uma manteiguinha? Ou nem isso.
Abraço. Lourdes.

2 comentários:

  1. Olha... muitas vezes nós nem atendemos a porta... é por isso que este mundo esta como está... não abrimos a porta para que Ele entre em nossas vidas.

    ResponderExcluir
  2. Verdade! Inclusive eu... quando estou na fase ruim da bipolaridade, não abro a porta nem para meus amigos mendigos amados. Coisa ruim, porém verdadeira. Se eu me conscientizasse que toda vez que vem um é o próprio Jesus nele, quem sabe passaria a tal manteiguinha, né mesmo? Lourdes Dias.

    ResponderExcluir