quarta-feira, 30 de setembro de 2009

MIM : COISA DE MEAD


Quem é esse tal de Mead? Eu sei lá! Rsrsrsr... Procure no google. Rsrsrsrs...
Mas li alguma coisa sobre ele e gostei, caso tenha dado alguma interpretação errada corrija-me, por favor, pois não sou estudiosa e muito menos filosofa. Nunca se esqueçam disso: sou dona de casa, curiosa, só isso. Perdoem-me se errei.
Mead diz: “A consciência deve ser compreendida como um fluxo de pensamento e vivências que tem suas raízes na relação dinâmica entre uma pessoa e seu ambiente significativo”. Acho que é assim: o pensar e o viver tem suas raízes na interação meio ambiente e a própria pessoa.
Inter-ação: pensar e agir a partir da interação, a identidade se forma como um processo (muda sempre) de aprendizagem social. Modificar-se a si mesmo, moldar-se de acordo com as atitudes dos outros, capacidade de compreender essas atitudes por meio da assunção dos papeis dos outros. Penso assim: ver seu próprio comportamento a luz do ponto de vista do outro.
É preciso que se desenvolva a capacidade de conceber (gerar e deixar existir) a perspectiva (forma de ver a vida) dos outros, mas de forma simbólica (gestos significativos, linguísticos, compartilhados por pessoas diferentes) pela imaginação.
Esses gestos permitem um despertar no próprio indivíduo da reação que ele está procurando provocar no outro, uma elevação do papel para o outro, uma tendência a agir como a outra pessoa age.
Os indivíduos racionalizam suas ações a partir das reações recebidas.
Emito um sinal e a partir da resposta recebida eu coloco a nível de razão e ajo de acordo com isso (RACIONALIZAR).
IDENTIDADE: não se possui uma, mas é um Processo de comunicação que é ajustado constantemente pela REFLEXÃO sobre nossos comportamentos, levando em conta a conduta dos outros, cujos papéis também assumimos como nossos. Penso assim: Assumimos posturas de acordo com a conduta do outro ou a partir dela.
Estamos engajados no mundo (universo ao nosso redor), envolvidos nas realizações em comum com o outro, e esse engajar-se CONDICIONA E FORMA nossa PERSONALIDADE.
O SI MESMO é construído na vida em COMUNIDADE, não se pode instalar-se na SOLIDÃO e LIBERDADE ABSTRATA.
Distinção (eu e mim): EU: é a reação do indivíduo às atitudes do outro.
MIM: o conjunto de atitudes do outro, por meio da interação, da comunicação, do diálogo, da troca de idéias.
MIM: o outro generalizado, ou seja, normas e valores que são internalizados ou migram para nosso interior.
MIM: todas as atitudes do outro + normas + valores da sociedade em nós.
MIM: tem consciência de si mesmo como objeto (instrumento) e reage consigo mesmo conforme ou a partir das atitudes dos outros.
AUTO REFLEXÃO: auto consciência: auto controle: è o resultado de perceber através dos sentidos (ou do meu sensível?) o outro e do ambiente do outro.
MEAD diz: As pessoas já nascem dentro de determinadas estruturas sociais que não criaram, mas são constrangidas pelas normas, valores, etc., que canalizam suas ações.
Isso cria barreira contra a impulsividade e a criatividade de um “EU” resistente.
MIM: conservador que reflete as formas de vida e as instituições de uma sociedade secreta.
Só na medida em que crescemos nesse ambiente social, podemos nos tornar responsáveis e desenvolver pela internalização dos controles sociais (normas) a sermos autônomos (livres) para seguir essas normas ou questioná-las.
MIM: contem uma consciência moral, e expressa pensamentos e práticas de um grupo particular, para agir de uma forma responsável mesmo tendo que pagar um preço alto, que é a submissão aos controles, normas e regras externas da sociedade. Cada ser individualmente reage contra os padrões da sociedade de forma espontânea e criativa.
Por enquanto é só... Se não fica longo demais.
Abraço. Espero tê-los ajudado de alguma forma.
Lourdes Dias.

EU VIM...


“EU vim para que todos tenham vida em plenitude.”
Pensando em vida plena e em quem é Jesus para mim, cheguei à seguinte conclusão: JESUS É AQUELE QUE VIVEU E VIVE A VIDA, E TODO O SEU SER EM SUA ESSENCIA, ou seja, vive a Sua essência humana e divina plenamente. Jesus viveu em plenitude Sua Essência de Amor, essência amorosa dando-se plenamente. Jesus vive sua essência humana, não fugindo da vida e de tudo o que ela tenha Lhe reservado.
Jesus vive plena e essencialmente seus medos, inclusive suou sangue ao ver tudo o que teria que passar. Jesus teve horror e muito medo, mas não fugiu disso e nem negou seu medo, próprio de sua essência humana.
Jesus sentiu-se abandonado pelos amigos e pelo próprio Pai. Pai? Por que me abandonaste?
Meus amigos não vigiaram e nem me fizeram companhia nesta minha última noite? Nessas frases Jesus sentiu todo o abandono e não fugiu dele. Jesus viveu toda essa experiência sem fugir do medo, mas enfrentá-lo. Li em algum lugar que quando somos TOTALMENTE ABANDONADOS, ou nos sentimos assim: abandonados por tudo e todos, e se conseguirmos vencer isso, estamos prontos para o que der e vier. Será verdade?
A vida plena ou em plenitude que Jesus deixou para nós como exemplo é essa: viver a vida com tudo o que ela nos oferece.
Se a vida nos oferece doçura, alegria, bondade, momentos felizes, viver tudo isso plenamente, aceitar, experimentar é vivenciar.
Vivenciar a vida se ela nos trouxer dor, sofrimento, medos, angústias.
Vivenciar tudo isso, e não fugir.
Aprendo com o Senhor e nos livros que leio que viver/vivenciar é o contrário de sobreviver/fugir.
Vivenciar é: experimentar todos os sentimentos e emoções que a vida nos apresenta com medos ou sem eles.
Lembre-se que coragem não é a ausência de medo, mas a disposição para enfrentá-lo.
Covardia: é a falta de disposição interior ou exterior de enfrentar aquilo que nos foi proposto.
Se fracassar, acredite que os fracassos nos amadurecem, e seremos mais fortes.
O vencer ou fracassar não importa para Deus.
Para Deus o valor está na luta.
Aprender com o Mestre dos mestres é fantástico.
Abraço. Lourdes Dias.

QUANDO DEUS PENSOU...


Acredito que quando Deus pensou na gente, pensou assim: como vou fazer esse ser amado, onde vou colocá-lo pra que ele tenha vida e vida em plenitude... Deve ter sido algo mais ou menos assim.
Então porque teimamos em estar no lugar errado, com as pessoas erradas e coisa e tal?
Somos burros, penso eu. Falta-nos discernimento.
Se posso fazer aquilo que gosto com quem gosto e com quem gosta de mim? Por que fazer tudo isso ao contrário? Penso que felicidade e vida plena, vem daí. Você estar bem com você e com o outro. Estar em paz.
Na verdade somos infelizes por escolha própria, talvez gostemos de sermos vistos como mártires, mas penso que amarga nem a vida basta... Nada de amargura, então por que buscamos isso e desse jeito? Sei lá, mas infelizmente as coisas são assim.
Talvez por não fazermos as escolhas certas.
Insistimos em estar com pessoas que não nos amam.
Estar com pessoas mal humoradas, que tem por prazer estragar nosso dia. Tudo isso...
Mas que Deus quer isso e assim? Duvidooo... o... dó... Rsrsrs.
Isso é coisa ou de gente teimosa ou burrinhos ou quem sabe do encardido, que não nos quer felizes de jeito nenhum. O encardido existe sim, não queira ser apresentado pra ele, pois deve ser uma coisa horrível e terrível, embora nunca se apresente assim. Mas com certeza esse tipo de escolha é a pior escolha que fazemos. Escolher onde Deus e nem as pessoas não nos querem. Enfim... escolhas são escolhas, certas ou não, sempre teremos que fazê-las. Concorda?
Pense nisso... Abraço. Lourdes.

QUEM SÃO OS SANTOS?


Santos segundo a Igreja Católica Apostólica Romana, são somente aquelas pessoas que procuraram viver sua vida pautada no amor. Pessoas que foram capazes de doar sua vida em prol da humanidade, que por amarem tanto, decidiram por viver isso: VIVER O AMOR. Só e tudo isso.
Qual o belo em termos nossos santos? Nós os temos somente como exemplo de vida. E quando estudamos a vida de algum deles, vimos que temos todas as qualidades e defeitos deles, então isso nos inspira a viver o amor mais radicalmente, pois pensamos que se alguns conseguem? Por que não eu?
Santo é somente isso: alguém que sabe para que existe, então sabe porque Deus o fez, procura conhecer a Vontade desse Deus Amor sobre ele, e apenas segue isso.
Penso nos santos como alguém que lutou muito pelos outros. Lutou e venceu!
Santos são batalhadores e vencedores.
Lutaram contra coisas que pudessem fazer mal aos outros. Amaram muito.
Penso assim: somos espelhos, e quanto mais nos aproximamos do Deus Amor, mais puros, limpos e transparentes seremos, e pra mim isso é santidade.
E o poder da intercessão dos santos?
Penso que se alguém lutou por ser tudo de bom, com certeza, são espelhos mais transparentes, ou vidros mais transparentes que nós. Só isso. Então porque não pedirmos para que nossas orações, que saem de nossos corações cheios de impurezas, passem por vidros mais puros, até chegar ao puríssimo vidro que é o Coração Sacratíssimo de Jesus, onde nós nos refugiamos?
Não vejo o porque de tanto orgulho em não admitirmos que esses santos, essas pessoas de coração purinho, existem e podem de alguma forma interceder por nós? Por que não?
Será que temos a pretensão de achar que estamos tão puros e limpos que não precisamos de ninguém que nos auxiliem, como os anjos e santos? Bom se você pensa assim, então você está de parabéns se já consegue estar no mais alto grau de santidade a ponto de não precisar de nada e de ninguém. Sei que podemos chegar a esse grau elevado de santidade, mas sei também que a graça nunca pára, ou ela aumenta ou diminui, então quando estamos no topo, podemos cair naturalmente se não perseverarmos. Se não estivermos vigilantes em relação a isso.
Mas de qualquer forma, santo é somente isso. Somente nãooo! Tudo isso!
Abraço. Lourdes Dias.

AUTENTICO? NÃO. MAL EDUCADO.


Um dia desses estava vendo uma entrevista de um mestre judoca, o mestre é tudo de bom: educado, meigo, sensível e muito sábio. Um homem maduro em idade e em sabedoria. Amei isso!
Ele explicou que muitas pessoas confundem uma pessoa realmente autêntica, com aquelas que falam tudo o que pensam sem se preocuparem se vão magoar os outros ou não. Ele deixou bem claro que isso não é ser autêntico, ser assim é ser mal educado. Que a pessoa realmente autêntica, no modo dele ver, é alguém que fala tudo o que pensa, sim, mas existe a preocupação com o outro. Se for falar coisas que magoem, não fale, segundo ele. Diz que não é pelo fato de se falar tudo o que vem a boca, que nos faz mais autênticos ou não. Que o autêntico é sábio e sabe quando, como e onde colocar seus pensamentos e palavras. Nada de falar tudo a torto e a direito não. Disse que essa confusão é normal, mas que precisamos explicar isso para as pessoas, pois nem sempre sabem separar uma coisa de outra.
Que sabedoria, não? Gostei.
Vou aprender mais sobre autenticidade, e depois passarei alguma coisa a mais para vocês.
Abraço. Lourdes Dias.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

NADA DE PROFESSORA ATRÁS DA MESA...


Já fui catequista, e nada daquelas tradicionais, nãooo...
Primeiro não queria nada daquela mania de professor atrás de sua mesinha e alunos à frente, quietos e bem comportados.
Quando estudava o que eu devia dar para as minhas crianças? Pensava comigo mesma, como eu gostaria de ser tratada numa sala de aula, assim vou tratá-los.
Meu objetivo maior como catequista era passar todo amor que Jesus tem pela humanidade e como Jesus ama a cada um de uma maneira única e especial. Para isso eu tinha que amar muito a Jesus e as crianças. Eram poucas as crianças as quais eu tinha que ensinar, portanto era facinho fazer isso.
Comecei fazendo assim.
Primeiro: Fazia com que eles participassem ao máximo do assunto ou tema a ser tratado. Recortávamos revistas, jornais, fazíamos murais. Deixava que eles se virassem e o tal mural saía até o final da aula.
Eram poucas aulas na semana, e pouco tempo de aula, daí ficava difícil passar tudo o que eu queria.
Segundo: comecei a perceber que algumas crianças estavam muito dispersas e fui observar com todo cuidado até descobrir o que estava acontecendo. Não era que a catequista era chata, ou o assunto desinteressante, elas somente estavam com fome. Só isso! Daí passei a trazer lanches para elas e a fazer piquenique em sala de aula, para fazer com tudo fosse uma grande festa. Rezávamos antes de comer. Agradecíamos pelo alimento, cada um com suas palavras. Minha oração era decorada, minha mãe me ensinou assim: “Senhor, obrigada pelo alimento que foi nos dado sem nós merecermos, e que o Senhor nunca deixe faltar em nossas mesas, nem nas mesas de nossos irmãos. Amém. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.”.
Ensinei-os a rezar assim, mas gosto de orações espontâneas.
Terceiro: Fui procurar conhecer os pais e a vida das crianças fora da sala de aula, ou da sala de catequese.
Alguns mal tinham o que comer. Outros tinham que cuidar dos irmãos mais novos para que a mãe pudesse trabalhar, já que não tinham pais. Outros mal sabiam ler e escrever.
Quarto: Procurei encaminhar os pais alcoólicos para o AA. Caso quisessem se curar.
Quinto: Procurei psicólogos e fonoaudiólogos para as crianças que não sabiam ler ou escrever.
Sexto: Ensinei-os a amar e respeitar seus pais, independente de quem eles fossem ou de como fossem.
Sétimo: Ensinei-os a colocar espontaneamente diante do Santíssimo, quais eram suas reais dificuldades para que todos em oração pudéssemos rezar por cada necessidade, e aquelas que não pudéssemos resolver, somente entregávamos a Deus, e Deus resolvia por nós. Ajudei-os a acreditar num Deus Amor e não num Deus castigador.
Oitavo: Ensinei-os a amar e a respeitar seus professores, embora se eu fosse as crianças, não conseguiria fazer isso, tal ruindade eles eram. Mas nunca falei isso para eles. Ensinei a respeitá-los e pronto.
Nono: Eduquei-os para serem mais aceitos pela sociedade. Ensinei-os a não falar palavrões. Ensinei-os a como perder o hábito disso. A cada palavrão falado, uma Ave- Maria rezada. 10 palavrões=10 Ave-Marias... Rsrsrs... Resolvi isso rapidinho.
Deixaram o mau hábito muito rápido.
Décimo: Praticávamos esportes, tipo: judô.
Fazia com que eles amassem a aula e não achassem tudo muito igual e portanto tudo muito chato.
Eles com certeza saíram melhores da catequese do que quando entraram.
Pelo menos mais educados e lendo, o que achei fantástico.
Não basta ensinar é preciso entrar na realidade dos alunos.
Abraço. Lourdes Dias.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

VÓS SOIS A LUZ DO MUNDO...


Interessante quando isso acontece conosco, literalmente falando.
Há muitos anos atrás quando participava da Paróquia Nossa Senhora das Graças, aconteceu isso literalmente com Pe. Pedro Cunha. Fizemos um tempo bastante grande de adoração ao Santíssimo Sacramento, e no outro dia uma senhora me fez uma pergunta assim: “Você viu que o Pe. Pedro estava todo iluminado na hora da adoração?” Lhe respondi: Não. Eu não estava olhando para o Pe. durante a adoração, estava olhando para Jesus, então não vi nada. Daí ela respondeu: "Não fui só eu quem vi, muitas pessoas também viram.” De certo estava com medo de que eu achasse que ela estava vendo coisas. Bobagem! Sei que Deus age em quem, quando e como quer. Mas que eu não tinha visto isso, não tinha visto não. Falei a verdade.
Não sei se dias depois disso, ou antes, disso, vi uma coisa esquisita: quando Pe. Pedro entrava para celebrar a missa eu vi seus olhos completamente azuis. Vi de longe e fiquei intrigada com aquilo. Seus olhos estavam azuizinhos, azuizinhos... Nunca comentei nada disso com ninguém, pois poderiam dizer que eu estava surtando ou vendo coisas. Daí esperei no Senhor uma resposta em relação a tudo isso.
Tempos depois, veio um conhecido meu, e me disse assim: “Lourdes, ontem depois que você recebeu a comunhão, você estava totalmente revestida de azul, como uma espécie de um manto.” Nossa!!! Eu revestida de uma espécie de um manto azul??? Não sabia como explicar aquilo, somente disse a ele, que talvez eu estivesse revestida com o manto de Nossa Senhora e que ele deveria ter tido uma visão espiritual, nada mais. Eu não sabia na época nada dessas coisas.
Vou ser bem sincera, a Igreja é muito cautelosa em relação a visão espiritual, e esse cuidado às vezes nos deixa sem nenhum tipo de orientação a respeito dessas coisas. Coisas que a meu ver são coisas naturais para quem vive no mundo sobrenatural. Pessoas de oração e verdadeiras adoradoras do Senhor, tem que de alguma forma ser diferente dos outros, isso é próprio de quem adora o Senhor.
Mas andei dando uma olhada na internet para ver se conseguia algum tipo de resposta, e a coisa é simples assim. Temos sim uma força em nós, sabe a tal força que saiu de Jesus quando a Hemorroíssa o tocou? Pois é... Não somente Jesus, mas nós em nossa humanidade e pecadores que somos, também temos essa força interior, que pode às vezes ser vista por alguns. Esse dia que vi os olhos azuis do Pe. Pedro, foi somente ter visto o olhar dele quando estava iluminado pela força do olhar de Jesus. Quando minha conhecida e seus amigos viram a luz que emanava de Pe. Pedro, mesma coisa. E a tal luz azul que meu conhecido viu? Também. Simples assim!!! Jesus nos disse que seriamos essa luz, não uma luz própria, mas uma luz que vem Dele. Mas de uma coisa eu sei: VIVER ISSO LITERALMENTE É MUITO ESQUISITO. Que é muito esquisito isto confesso que sim, é esquisitíssimo, mas como Jesus não mente nunca e disse que é assim. Quem sou eu para questioná-Lo? Até posso questioná-Lo, mas Ele já nos ensinou antes sobre tudo isso, para que a gente não pense que isso é coisa de et’s. Isso é coisa de pessoas que se voltam para o Transcendente. Só isso, e nada mais que isso.
Abraço materno. Lourdes Dias.

OBJEÇÃO DE CONSCIÊNCIA? QUAL CONSCIÊNCIA?


Diante de algumas coisas que experiencio referente à minha fé na religião Católica Apostólica Romana e segundo li em uma passagem da Bíblia feita para leigos, ou seja, a Bíblia escrita de uma forma descomplicada, bem simples, para que qualquer um possa ler e entender, estava escrito não com essas palavras, mas com esse significado, já que não tenho a tal mente fotográfica (rsrsrs): “POR QUE VOCÊ NÃO ACEITA A DIGNIDADE DAQUELE QUE FOI ESCOLHIDO POR MIM?” Não me perguntem em qual passagem, mas estava assim, explicadinho. Essa mensagem veio para mim na época, em que eu estava questionando algumas pessoas que estavam à frente da Igreja e que não tinham um comportamento, que a meu ver, fosse coerente com os ensinamentos de Cristo. Daí recebi como resposta essa cacetada, e resolvi colocar um zíper na boca e em meus pensamentos em relação a julgar os outros a partir de mim e não de Deus. Ainda não consegui zipar tudo, mas quem sabe um dia, não é mesmo?
Quanto à objeção de consciência? O denunciar coisas que a nosso modo de ver vai contra a nossa consciência, é preciso fazer conforme Pe. Pedro Cunha nos ensinou.
As três peneiras:
1. O fato é realmente verdadeiro? Ou um boato?
2. Se for verdadeiro... Você falar com a pessoa vai fazer com que ela cresça em graça e santidade diante de Deus? Ou fará com que ela se revolte mais, sinta-se mal, e de nada vai adiantar lhe falar sobre isso.Se não fizer bem ao seu irmão... ESQUEÇA!
3. Passe na peneira fina da MISERICÓRDIA. Qual o motivo de eu estar preocupado com tal acontecimento ou fato, não será por mim? De alguma forma sinto-me contribuindo com o mal e daí jogo a culpa nas costas do outro? Culpa que eu carrego e não assumo ser minha? Será que falando determinadas coisas contra o irmão, eu não estou sendo legalista demais E NADA MISERICORDIOSO?

Pesar muito bem nossos atos é um ato de consciência em Deus. Não se esqueçam que muitas vezes somos rigorosos demais com os outros e conosco. Outras vezes, somos rigorosos demais com os outros e lights conosco. Nunca se esqueça que o AMOR DE DEUS É MAIOR QUE SUA CONSCIÊNCIA, e que coisas as quais você não se perdoa, Deus já o perdoou faz tempo. Nós temos a mania de querermos ser deuses e saímos julgando os outros a torto e a direito, simplesmente por puro legalismo e não por puro amor.
Mas de qualquer forma... se depois de passar pelas 7777777777 peneiras do perdão, e depois de questionar-se: SE DEUS ACEITA ESSE SER HUMANO E LHE DEU ALGUMA DIGNIDADE, SERÁ QUE EU ESTOU CERTA EM MEU JULGAMENTO? Serei eu a julgar e condenar esse filho de Deus? Deixe os julgamentos e condenações para Aquele que veio SALVAR E NÃO CONDENAR.
Sabe o que tenho visto? Na maioria das vezes colocamos nossas objeções muito mais pensando em nós que na humanidade, ou no bem estar de quem quer que seja. Pensamos egoisticamente em nós. E somente em nós.
Não sou favorável ao aborto. Não sou favorável à pena de morte. Mas nunca farei abaixo assinado contra quem quer que seja que seja favorável a esse tipo de coisa. Farei tudo pela vida, e assim creio que mudarei muito mais a mentalidade das pessoas que as criticando. A mudança acontece a partir de mim e de atos concretos em favor da vida. O rezar pela cura dessas pessoas é um ato de objeção de consciência que dá muito mais resultado, que ficar fazendo abaixo assinado, passeatas ou levantando qualquer bandeira.
Pense nisso: ao invés de críticas, reze por ele, e principalmente reze pela conversão de seu coração.
Amém? Amém. Lourdes Dias.

SEREMOS JULGADOS POR NOSSA CONSCIÊNCIA


De quais julgamentos Deus está falando? Por quais consciências seremos julgados?
Sempre pensamos que seremos julgados por nossa consciência humana, essa consciência cheia de falhas, os tais pensamentos que não são os de Deus: SEUS PENSAMENTOS NÃO SÃO OS MEUS.
Sua consciência não é a CONSCIENCIA DE DEUS.
Somos seres falhos e limitados, daí temos os tais julgamentos legalistas dos escribas e fariseus que julgaram e condenaram Maria Madalena, a discípula fiel de Jesus. Somos assim e temos essa consciência desse jeito. Vejam que essa nunca foi e nunca será a Consciência Divina. A Consciência Divina é essa de Jesus, não julga nada e nem ninguém.
Existe dentro de nós uma Consciência Divina e Profunda, é por essa consciência que seremos julgados e não a humana, a tal justiça humana. A justiça humana será sempre a do olho por olho, dente... Essa é a que nos convém, mas não convém ao irmão, muito menos a Deus.
É bom entrarmos em busca de nos conhecermos melhor para poder conhecer a Consciência Divina existente dentro de nós e daí agirmos segundo ela.
Tem gente que nunca ouviu falar nisso! Tem gente que nem sabe que dentro dela há algo muito mais profundo que tudo o que já aprendeu, embora sejam muito sábios. Sábios diante da lei humana, mas tão ignorantes quanto às coisas da lei divina. Não sou dona da verdade, e sei que se uma pessoa é ignorante das coisas de Deus porque ninguém mostrou o caminho a ela, está tudo certo. Mas se mostrarmos o caminho e ela teimar em não querer seguir, daí não terá desculpa.
Entenda bem: NOSSOS SENTIMENTOS, PENSAMENTOS E CONSCIENCIA, NÃO SÃO OS DE DEUS. Está lá na Palavra, leia e aprenda com ela. Isso se você quiser, pois Jesus nunca obrigou ninguém a segui-Lo.
Quanto o saber mais sobre a nossa Consciência mais Profunda, lá onde habita Deus? Que tal fazer o Curso da Irmã Maria de Lourdes Sávio? Lá você aprenderá mais sobre tudo isso. Fiz alguns cursos com ela e gostei muito. Cresci muito.
Paz e bem! Lourdes Dias.

domingo, 27 de setembro de 2009

HOMEM TOTAL E PARAPSICOLOGIA


Livro de Frei Albino Aresi.
Alguns psiquiatras, não sei se hoje ainda é assim, pois tudo muda, mas no meu tempo, quando você falava que tinha algumas habilidades ou faculdades especiais tipo: sou telepata, consigo ver o que está na alma do outro, tenho a tal capacidade de leitura subliminar e muitas outras coisas, tenho o dom de curar, e por aí vai... Tudo isso para o psiquiatra era coisa de nossa cabeça e que precisávamos ser curados.
Hoje as coisas mudaram um pouco, hoje se os psiquiatras lerem alguns livros e alguns depoimentos de pessoas sóbrias e normais, verão que somos mais complexos do que diz toda vã filosofia. Existe muita coisa entre o céu e a terra que os psiquiatras desconhecem, por fecharem seus olhos para não verem. Só isso.
Quando li há muitos anos atrás esse livro aí, vi que muitas coisas que sentia em mim estavam bem explicadinho ali, como faculdade paranormal, que os médicos cismavam em dizer que era fantasia.
Que bom que tudo muda, e que aquilo ou coisas que eram tidas como doenças mentais, são somente faculdades especiais de nosso cérebro e nada mais.
Temos poderes sim. Nós, gente como nós, e não et’s. Temos poder de curar, de ler a mente dos outros, temos dom de ciência, podemos realizar milagres, E contra fatos, não há argumento, diz um velho ditado popular.
Venha aqui em alguns encontros nosso da RCC, Comunidade Canção Nova e verá de quanto nós seres humanos, quando queremos usar nossos talentos em favor e para o bem da humanidade, conseguimos prodígios e grandes prodígios. Venha constatar os tais fatos.
Esses milagres acontecem em nossa vida, em nossa alma, em nossa casa... Enfim é uma grande benção de Deus poder viver tudo isso.
Mas você precisa querer. Você e os psiquiatras precisam retirar as vendas de seus olhos e constatarem que realmente, existem muitas coisas entre o céu e a terra que eles, mesmo com todo conhecimento, desconhecem. Desconhecem por quererem ignorar. São ignorantes, não porque as coisas não estejam batendo às suas portas. Mas porque não querem tirar as vendas, ou simplesmente, o que seria muito mais fácil: SIMPLESMENTE ABRIREM OS OLHOS. De olhos bem abertos verão as coisas que antes não queriam ver.
Meu psiquiatra disse-me que ele não era Deus. E eu tenho plena convicção disso, nem nunca pensei tal coisa. Mas penso que se ele buscasse o sobrenatural, as coisas paranormais, conseguiria ver mais normalidade em nós.
Coisas da alma... Coisas da mente... Coisas naturais e sobrenaturais.
Tudo isso somos nós.
Benditos somos nós, e bendito seja o Senhor Deus, por nos revelar todas essas coisas que muitos ainda teimam em desconhecer.
Tudo é do Pai.
Abraço materno. Lourdes.

O JOVEM JOSUÉ... MARTIN VALVERDE


Recomendo! Esse livro é simplesmente bárbaro!
Coisas de gente metida à sábia. Rsrsrs... O dia em que Alfredo trouxe esse livro para casa, somente olhei a capa com certo desprezo e disse assim: “Você tá se achando não? Achando-se um jovenzinho... Esse livro só pode ser pra você.” Olha que coisa idiota essa minha? Pois é...
Quem vê a capa do livro e julga, não vê o conteúdo. Julguei o livro pelo título e pela capa. Tipo assim: isso é pra jovem iniciante nas coisas de Deus, nem vou perder tempo em ler. Aliásssss! Não preciso.
Burraaaaaaaaa!!! Ainda bem que decidi dar uma olhadinha rápida, coisa de gente curiosa. Gentemmmm!! Que maravilha! Fiquei extasiada de ver tamanha sabedoria! Fiquei abestalhada! Lá ensina tanta coisa que nós sábios pretensiosos não sabemos. Sábios burrinhos, digamos assim. Nunca mais farei isso! Julgar um livro pela capa e muito menos pelo título.
Lá nos ensina como Josué conquistou o coração de seu mestre e conquistou seu lugar, conquistou seu espaço. Lá nos mostra a inteligência e sagacidade de Josué e onde foi que ele chegou com isso: Vitória na certa! Livro fantástico vale à pena a gente ler. Lá ensina-nos a abrirmos espaço ao novo, ao jovem e não termos medo de fazer isso. Não importa o que aconteça ou quanto vivamos o novo sempre vem, conforme diz Elis Regina.
Leiam... Pois o livro é lindo de viver!
Abraço. Lourdes.

HIPERATIVIDADE: CRIANÇAS


Até agora nossos cientistas e psiquiatras taxavam as crianças ou adultos acelerados de anormais ou doentes, seja lá com quais rótulos, tipo: hiperativo, SPA, bipolar, esquizofrênico, alguém com algum tipo de distúrbio mental. Mas você reparou em nossas crianças de hoje?
Gente! O que está acontecendo com nossas crianças? Se for algum tipo de distúrbio mental, então estamos formando uma geração inteira de doentes. Isso pode ser...
Mas prefiro ver as coisas de uma forma positiva. Estamos formando talvez uma geração de gênios, por conta da tecnologia. E como em nossa geração passada isso era coisa rara, mas agora está sendo uma coisa natural, não estamos sabendo como lidar com isso.
O que estou vendo, com esses olhos que a terra há de comer ou não, é que a maioria das crianças são super agitadas,e os pais modernos e avós modernos não estão devidamente preparados para essa nova geração.
Estamos em novos tempos, dizem que parece ser o final dos tempos, creio que não! Somente uma nova geração a qual temos que estar preparados para receber e aceitar.
A tecnologia está entrando cada vez mais cedo na vida de nossas crianças, e isso faz com o cérebro delas desenvolva-se de uma maneira acelerada, penso ser somente isso. Somente isso, nãooo! É algo grandioso e não sei como faremos para aprender a lidar com esse novo.
Será que pretendem fazer igual fazem com os adultos hiperativos? Vamos encher nossas crianças de remédio para poder controlá-las, pelo simples fato de não sabermos como fazer isso?
Sei que a falta de limites de alguns pais, faz com que a criança seja ativa demais, por falta daquilo que não lhes foi dado, e isso é verdade constatada. Mas o que está acontecendo é que temos crianças da ERA TECNOLÓGICA. O que de fato precisamos fazer é tão somente procurarmos um meio de cuidar delas, sem agredí-las. Deixar que sejam o melhor daquilo que são. Crianças ativas, extremamente inteligentes, que têm uma visão quase que totalmente diferente do mundo e da vida, da que nós temos.
Hoje já é e está assim. Acho bom nos prepararmos física e psiquicamente para o que vem por aí, e à passos largos e gigantes. Física, porque essas crianças correm para valer. Rssrsrsrs.
Estou exagerando ou é isso e assim mesmo?
Pais por não saberem como lidar com isso, deixam seus filhos em creche, e deixam a responsabilidade da educação total de seus filhos para outros: TRANSFERÊNCIA DE RESPONSABILIDADE, com a grande desculpa que nós também temos o direito de sermos felizes e realizados profissionalmente, não com a intenção de dar o melhor para nossas crianças. Pensamento egoísta este. NOSSAS CRIANÇAS TÊM O DIREITO DE SEREM FELIZES, isso sim.
Mas como a cada dia aumenta o número de pais que pensam desse jeito, teremos cada vez mais um número de crianças desse jeito. Desse jeito atual de ser.
Penso que temos que aprender a lidar com as mudanças, mesmo que a nosso ver não esteja sendo para melhor, mas a realidade nua e crua está aí e não temos como fugir dela, da REALIDADE NUA...
Como se fará isso? Conviver com esse novo e atual? Não sei. Só sei que psiquiatras e psicólogos já é a carreira do presente e do futuro, e não creio que remédios sejam o remédio para esse “bem”. Já que a criança será sempre um bem, a meu ver, não sei se a seu ver.
Abraço. Lourdes Dias.

sábado, 26 de setembro de 2009

O MEDO DO NOVO...


Interessante como alguns erros são cometidos repetidamente.
Lembro quando em 1974, acompanhava o Pe. Jonas Habib, no inicio de sua caminhada da RCC, penso que nesta época ele ainda nem pensava em comunidade. Sei pouco sobre isso, embora minha prima Pedrina, fosse e ainda é amiga íntima de Pe. Jonas. Amiga e discípula, digamos assim. Mas não sabia o grau de dificuldade que ele enfrentava por trazer algo tão novo aqui para Lorena e para o Brasil. Embora não tenha iniciado nele, mas foi ele quem assumiu e pegou na cabeça do movimento, naquela época.
Mas ele enfrentou tantas barreiras em relação ao novo. Enfrentou e venceu, por isso a RCC e a Canção Nova é o que é hoje, porque ele não desistiu de lutar. Daí o vencer... Daí a missão cumprida.
Em relação às Aldeias de Vida, também. Como Pe. Pedro Cunha, Irmã Maria de Lourdes Sávio e Lurdinha Batista, tiveram que enfrentar inúmeras barreiras para poderem dar credibilidade às Aldeias de Vida.
Hoje ninguém poderá contestar a legitimidade das Aldeias e ninguém poderá dizer que ela não é fruto do coração de Deus e de Sua Vontade.
Gosto de chamar as Aldeias de Oficina de Santos. Pois ninguém lá está acabado, nem completo, mas estamos todos à caminho.
Nesta pequenina oficina de santos, aprendemos a como seguir os passos de Jesus e de alguns santos. Aprendemos com a humanidade e santidade de Jesus e com a humanidade de alguns santos.
Mas para as Aldeias de Vida chegar onde elas estão, muitas lágrimas rolaram, chegaram até a insinuar que elas não eram coisa de Deus. Diziam que ali poderia estar havendo o tal sincretismo religioso. Pode uma coisa dessas? Penso ser isso um grande pecado cometido contra o Espírito Santo e que quem cometeu esse pecado deveria não somente pedir perdão a Deus, por blasfêmia, mas também pedir perdão ao Pe. Pedro Cunha, à Irmã Maria de Lourdes e a Lurdinha Batista, tripés das Aldeias, por terem dito tamanha bobagem.
Sei que errar é pra lá de humano e devemos perdoar a quem comete esse tipo de erro. Mas que merecemos receber os pedidos de desculpas por terem falado tal coisa de nós, merecemos.
As pessoas têm medo do novo, e normalmente pessoas que são pisadas por quererem viver o novo, talvez cometam o mesmo erro, ou seja, pisem também.
É bom pedirmos perdão e darmos perdão.
Pedir perdão, dependendo da gravidade do erro cometido, e no caso, um pecado contra o Espírito Santo, somente trará e fará bem a alma de quem os cometeu.
Quem sabe seremos curados de muitos males da alma. E o saber que o Espírito Santo age quando, como e onde quer, também é sinal de grande sabedoria.
Nada de pensar que Deus só age em determinados lugares. Seja sábio.
Lourdes.

DEPRESSÃO:


Estive pensando em um amigo e santo que está em depressão.
Pessoa verdadeiramente santa, exemplo de bondade, de doação, e santidade. Enfim exemplo de vida. Alguém que se gasta todo dia por nós. Como poderia alguém assim estar em depressão?
Uma das causas pode ser o ativismo. Pois o excesso do fazer, esvazia o nosso ser.
Pessoas que trabalham excessivamente podem entrar num ativismo tal, mesmo que esse trabalho seja em prol da humanidade e para o bem da comunidade, que mais cedo ou mais tarde entrarão num vazio interior. Olharão para dentro de si e nada encontrarão.
Madre Teresa de Calcutá, diz que tinha um vazio tão grande em seu ser, que não sabia o que era.
Pode ser isso. Isso pode ser uma das causas do tal vazio interior, do viver nas sombras interiores.
Penso que ter alguns períodos de trevas e vazios em nosso interior é algo comum e normal em nós. Mas vivermos constantemente assim, não é normal, e essa pessoa precisa de ajuda.
Nem Jesus viveu vazios eternos e sombras eternas, então porque não é normal, concordam comigo?
Penso que o ativismo das pessoas trazem um enorme vazio interior, pois tem pouco tempo para si mesmas, e para se descobrirem, embora façam muito pelos outros, são mendigos em relação a si mesmos. Têm pouco conhecimento de si. Sabe aquela passagem da Bíblia que fala assim: O Espírito Santo lhe ensinará todas as coisas, e ninguém precisará ensinar-lhe coisa alguma? Pois é... Penso que para sermos verdadeiramente dirigidos pelo Espírito Santo, em TODAS AS ÁREAS DE NOSSA VIDA, é preciso que a gente se conheça. Posso até e devo até ensinar as pessoas como chegar a esse estágio, mas antes de tudo que tal procurar começar por mim? E somente depois disso, passar a pregar e ensinar. Não estou querendo dizer que temos que ser perfeitos, pois nunca chegaremos a nos conhecer plenamente nesta vida, mas penso que a pessoa que se conhece, mesmo parcialmente e como num espelho, consegue lidar melhor com as qualidades e defeitos de seus irmãos, e o vazio interior é preenchido de uma forma mais tranqüila, penso eu.
Sei que existem vários modos de chegarmos a sermos dirigidos somente pelo Espírito Santo, mas que esse é um método eficiente e eficaz de vivermos, é: o nos conhecermos. Infelizmente esse tipo busca pelo auto conhecimento, somente nós poderemos ir. Ir em busca de... Somente nós podemos e ninguém mais poderá fazer isso por nós. Deus coloca alguns anjos em nossas vidas para auxiliar-nos, mas na verdade, na hora “H”, somente nós teremos que lidar com nossos inúmeros conflitos interiores.
Batalhas interiores, somente nós poderemos travá-las, e vencer ou não, é outra história.
Abraço. Lourdes.

VIAGEM AO CENTRO DE NÓS...


No meu tempo tinha um filme que se chamava assim: Viagem ao fundo do mar. É mais velho que andar pra trás... Rsrsrs.
Tem outro que se chama assim: Viagem ao centro da terra.
Penso que a viagem mais marcante e fantástica que devemos empreender e procurar ir bem a fundo, é ir em busca do centro de nós mesmos, do mais profundo de nós mesmos.
Essa viagem além de interessante, a cada dia somos contemplados com algo novo. Sempre descobrimos algo em nós, mesmo que nem sempre seja belo, às vezes nem é bonito de se ver, mas é novo.
Nós que gostamos de novidade, a viagem para dentro de nós mesmos nos oferece isso: o novo a cada dia.
Não me arrependo de ter dado os primeiros passos para o auto conhecimento, é muito legal. Talvez o que me motive a viver, seja justamente essa sede de conhecimento do ser humano a começar em mim, e por mim.
Não tem nada mais interessante do que nós, seres humanos, somos maravilhosos de verdade, e descobrir isso é muito bom.
Segundo alguns santos, e cito Santa Tereza D’Ávila, a busca do auto conhecimento nos leva a buscarmos mais santidade e como estou em busca, penso que esse é um dos caminhos para chegar até lá.
Se Santa Tereza chegou, por que nós não chegaremos?
Viagem ao centro da terra...
Viagem ao fundo do mar...
Viagem ao centro e ao profundo do ser.
Mergulhe em águas mais profundas de seu ser e descubra o belo, a beleza que é você.
Abraço.

MAS...


Gente que Jesus não gostava: fariseus hipócritas.
Gente que a Lourdes não gosta, mas suporta. Pessoas que dizem assim: tal pessoa tem tal qualidade, mas... Tem esse defeito.
Tem coisas que são bonitas, mas... ainda falta algo nelas para serem mais bonitas.
Pessoas que não conseguem ver o belo simplesmente. Sempre tem o tal: mas...
Por que não podem simplesmente gostarem ou não gostarem?
Pessoas que sempre gostam pela metade.
Gosto disso, mas... Se tivesse um pouco mais de sal, ou de açúcar...
O dia está bonito, mas... Estaria mais bonito se estivesse menos calor ou menos frio.
Dia chuvoso é bom... Mas gosto mais de sol.
Dia ensolarado é bom... Mas gosto mais de chuva.
Enfim... Nada agrada a esses, isso me deixa mais louca do que já sou se é que isso é possível. Rsrsrsr.
Puxa vida! Será que tais pessoas não conseguem ver além do seu, MAS...? Será que é tão difícil a elas enxergarem que nada realmente é perfeito, graças ao bom Deus, que nos fez imperfeitos, para poder admirá-Lo em sua Perfeita Perfeição? Gostou da Perfeita Perfeição? Foi de propósito, pois pra mim Deus é isso Perfeita Perfeição. O Perfeito dos Perfeitos. Mas... Rsrsrsrs... Só poderemos enxergar isso se olharmos para as coisas imperfeitas e aí sim reconheceremos o Senhor como Ele É. E o que somente Ele é.
Se fossemos perfeitos seríamos chatos. Já pensou? Cadê a criatividade? Cadê o tal caos criativo?
O único Ser, penso eu, que é Perfeito e não é chato: Deus... Nós somos imperfeitos e seríamos chatérrimos se fosse o contrário. Todas as pessoas perfeccionistas, tem esse defeito sérissimo de caráter, que precisa de tratamento psiquiátrico para resolverem-se, pois perfeccionismo é defeito e é sério, pois nos afasta dos outros.
Então? Que tal deixarmos os nossos “MASES...” Gostou? Muitos mas..., de lado, e nos contentarmos com aquilo que temos, sendo as pessoas imperfeitas que somos e com as pessoas também imperfeitas com as quais temos que conviver? Somente isso e sem mas... Nem mais.
Abraço. Lourdes

PERDOE-ME POR ME TRAÍRES


Quando li o título dessa peça teatral, a qual eu não assisti, só li o título e achei isso muito interessante e tão verdadeiro.
Como é difícil assumir que quando somos traídos ou traímos, os dois têm culpa no cartório, se é que devemos assumir a tal culpa.
Se temos que achar culpados em tudo e por tudo, então é bom que a coisa fique bem clara: se somos traídos, somos responsáveis por isso, e culpados por isso.
Isso da gente pensar que somos sempre as vítimas em caso de traição, é coisa ultrapassada. Quando nossos parceiros estão felizes e satisfeitos ao nosso lado, dificilmente terão olhos para outro (a). Isso de buscar em outro algo que nossos parceiros não nos dão, é coisa de carentes. E se estamos carentes é porque está faltando algo.
Nem sempre falta algo material, mas pode ser também.
Talvez falte: diálogo, companheirismo, carinho, afeto, cumplicidade... e muitas outras coisas. Em determinados casos falta tudo isso junto. Daí como é que queremos ter parceiros fiéis?
Tudo na vida é construído. Se construímos nossa vida à dois, e não somente a um, tudo fica mais fácil. É que nem sempre a coisa acontece dessa forma. Daí quando alguém desliza, vamos com todas as pedras e caminhões de melancia pra cima de quem achamos ser o traidor.
Traidor (a) e traído (a).
Traição é falta de alguma coisa na relação.
Quando falta, e se de alguma forma não tentamos resolver através do diálogo, ou talvez até com a ajuda de um profissional nesta área matrimonial, a traição passa a ser culpa da gente também.
Então... Perdoe-me por me traíres, pois se você está buscando fora, é que certamente dentro de casa não tem aquilo que lhe sustente.
Muitas vezes pode faltar Deus. E onde falta Deus... Falta tudo.
Abraço. Lourdes.

LIMITES


Parece-me que os problemas familiares existem, só mudam de endereço. No meu modo de ver as coisas hoje, UMA DAS dificuldades que temos em casa é a falta de limites. Só posso falar do que vivo.
Fui criada com excesso de limites, excesso de “nãos”, digamos assim. O pior que era assim: não faça isso senão Deus castiga. Não faça aquilo senão você vai pro inferno... daí por diante. Então fica difícil ver Deus como o Pai Amoroso que Ele É, pois se fomos criados dentro desse conhecimento errôneo a meu ver, como queremos ver Deus de outro modo? Bom, querer queremos, mas como poderemos ver? Só se Ele vir em nosso auxílio e apressar-se em nos socorrer. Conhece essa jaculatória? Senhor vinde em nosso auxílio, apressai-vos em nos socorrer? Só assim.
Mas diante de tanta negação e negatividade fica difícil pra gente saber impor limites.
No meu caso o impor limites aos filhos era algo tão difícil, que decidimos assim: o pai corrige e a mãe passa a mão na cabeça. Sei lá se foi a decisão mais correta, mas foi assim que decidimos criar os filhos aqui em casa.
Quando eles eram crianças fiz assim com eles: tirei tudo o que pudesse fazer-lhes mal e que me obrigasse a ter que dizer não toda hora. Tipo: meninos não toquem nisso, vocês vão se machucar, vão levar choque, vão se queimar, vão quebrar meus bibelôs, ou seja, lá o nome que se dá aos enfeites de casa.
Minha casa foi uma casa feita para crianças, não tinha nada que pudesse ferí-los, nada que pudessem vir a engolir, ou machucar-se. Mesmo assim o Thiago Luis se machucava bastante, pois tinha um problema de falta de curvatura nos pés, que fazia com que ele caísse com muita freqüência e isso me deixava super apavorada, pois o pediatra dele nem desconfiava que ele tivesse esse probleminha. Mas tudo bem. Tudo bem, não! Tudo mal. O coitadinho sofreu um bocado por conta disso. Galos e mais galos na cabecinha.
Mas normalmente eu não queria viver o exercício de ter que dizer não, pois ter que fazer isso era e ainda é bastante desgastante para mim.
Conseqüência: filhos sem limites. Pois se não ensinamos a eles que A LIBERDADE DELES TERMINA QUANDO COMEÇA A LIBERDADE DO OUTRO, eles nunca saberão quando devem parar.
Aqui em casa é um caso sério... Ao som de um bolero... Rita Lee. Rsrsrsrs. Mas é verdade, nunca sabem a hora de parar de beber, a hora de parar de fazer barulho pra não incomodar os vizinhos... Pois é... Pois é... Pois é... E para mim fica difícil impor certos limites, por não saber como fazer isso sem feri-los.
Penso que quando somos muito reprimidos quando crianças, não queremos dar a nossos filhos a mesma educação que tivemos, se tomamos consciência de que foi um mal... Claro. Pois tem pessoas que fazem com os filhos o que fizeram com eles, enquanto criança.
Penso que esse modelo de pai autoritário e mãe submissa, não é um modelo legal para nossos filhos. O legal e correto é cada um ter sua autoridade e aplicá-la na hora certa. Autoritarismo não! Autoridade.
Mas filhos tem que ter limites, sem serem castrados em sua liberdade. Penso que ter uma casa onde eles corram poucos riscos de se ferirem é legal. Nunca vi filhos que tenham desde nenês uma casa feita pra eles, onde possam sentir-se seguros. Isso evita muitos perigos desnecessários e talvez até mortes precoces. Sei lá...
Mas o correr riscos faz parte da vida. E se não ensinei a eles que não poderiam mexer em coisas e que se quebrassem poderiam ferir-se, talvez não tivessem muita noção do que é respeitar a casa dos outros. Não tirar do lugar as coisas dos outros. E que se fizessem determinadas coisas, poderiam terminar se dando mal.
Na verdade, o que percebo é essa falta de limites que me incomoda bastante. O não respeitar o espaço alheio.
Mas como não existe cartilha de como educarmos nossos filhos. Então o erro também faz parte do processo de crescimento de ambos, pais e filhos.
Abraço. Lourdes.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Pe. LÉO... AI DE MIM...


Esse Pe. Léo: LEONARDO TARCISIO... Coisa do outro mundo foi esse Pe.. Alguém especial para nós e para Deus. Alguém que ficará em nossas memórias para sempre.
Mas quero falar desse santo e colocar uma das últimas palavras dele antes de voltar para o Pai.
Estando no final de seu calvário, estando na cruz, diz ter recebido em locução interior a seguinte palavra de Deus: “Ai de você, se você não evangelizar!”.
Agora meditem esse tempo de cruz de nosso santo Pe. Você sendo pai e mãe que amam seus filhos, ao verem seu filho em um estado terminal, sofrendo como Jesus Crucificado, seria capaz de dizer a ele: “Menino (a)? AI DE VOCÊ... se você não fizer isso, você vai para o inferno”.
Você em seu amor limitado, faria algo assim com seus filhos? Claro que não!!!!
Quando nossos irmãos estão em estado terminal, você tomara cuidar de suas chagas e feridas e procurar dar todo conforto para eles, não é assim? Ou você é diferente de mim? Estou mentindo?
Penso que não. Jesus já morreu por nós para que possamos ter uma morte um pouco menos sofrida que a Dele.
Mas então o que foi que aconteceu com o santo Pe. Léo?
Primeiro: ele devia ser alguém extremamente enérgico consigo mesmo. Isso é comum acontecer com pessoas exigentes demais consigo. Pensam que o Pai do Céu é assim também, mas o Pai do Céu tem um amor ilimitado por todos e por cada um de nós. Às vezes somos mais duros conosco que o próprio Deus. Coisa de herança ou cultura.
Segundo: Talvez o Pe. Léo não tenha tido o encontro Ágape com Deus, porque saberia que jamais Deus Pai, diria um Ai! pra ele estando doente como estava. Mas sim... venha meu filho amado, espero por você, sua missão está cumprida. Isso sim é coisa de Deus Pai e não o contrário.
Terceiro: Quem sabe o Pe. Léo precisava se desligar de toda dor que estava sentindo e uma forma de tentar esquecê-la seria essa, escrevendo com toda dificuldade. Nosso inconsciente tem coisas e faz coisas surpreendentes conosco e para nós.
Tenho certeza absoluta, como 2+2=4, que o nosso amado Pe. Léo já havia cumprido sua missão aqui na terra, cumprido com dignidade e plenamente, não precisava de nenhum Ai! Tenho certeza disso.
Digo que o Pe. Léo está na glória do Pai, contemplando os anjos e santos e muito feliz, e dizendo: MISSÃO CUMPRIDA E BEM CUMPRIDA!
Amamos você Pe. Leonardo Tarcisio, por ter se dado de uma maneira tão plena por nós. Por ter gasto sua vida pela humanidade.
E nada de Ai! Mas... Parabéns meu filho amado, venha para junto de mim! Diz o Pai.
Com todo amor por esse santo. Lourdes Dias.

ESCRIBAS E FARISEUS: RAÇA QUE JESUS DETESTAVA...


ESCRIBAS E FARISEUS: RAÇA QUE JESUS DETESTAVA...
Beeemm... Nem todos! Mas Jesus detestava os escribas e fariseus de sua época que falavam... falavam... falavam... e não viviam aquilo que pregavam. Jesus amava a todos. Ponto. Mas os tais SEPULCROS CAIADOS de seu tempo, ou seja, os tais bonitinhos por fora, mas podres por dentro, os tais que tinham os PODRES PODERES, como canta Caetano Veloso, esses Jesus detestava literalmente e falava isso com toda clareza e destemor. Eta Jesus destemido, esse! Ele não tinha medo de nada e nem de ninguém, o que tinha que falar falava e pronto.
Quem são os escribas e fariseus de nossos tempos? Simples... São aqueles que não tiveram um encontro pessoal com Deus, portanto não têm um coração ECUMÊNICO. Esses que não aceitam os outros de outras religiões, pensam ser os donos do Espírito Santo, e que Deus somente atua em determinada religião e em nenhuma outra. Os que tentam aprisionar Deus. Quando nós temos um encontro pessoal com Deus, ou com o Transcendente, uma das melhores coisas que acontece aos poucos conosco é isso: Deus nos dá um coração tão inflamado de amor que passamos a amar, não de uma hora para outra, mas aos poucos, vamos aprendendo a aceitar o outro e respeitá-lo em suas diferenças.
O encontro pessoal com Deus faz isso com todos. Não importa que religião você pertença, quando Deus resolve ter um encontro e permite ser descoberto por você, isso acontece, em qualquer tempo, espaço ou lugar. Independe de tudo isso, pois o Espírito Santo sopra onde quer.
JESUS morreu e ressuscitou por TODA A HUMANIDADE, e não somente para alguns. Mas não é que tem gente que pensa que Jesus só morreu por alguns? Querem deixar as outras pessoas fora da salvação, ou fora de JESUS= SALVAÇÃO. Pode uma coisa dessa?
Fico indignada com tamanha insensatez... Isso é insensatez, para não chamar de outro nome.
Mas eu também já fui insensata em pensar que somente quem tem o rótulo de cristão ou de Igreja Católica Apostólica Romana é que vai para o céu.
O encontro pessoal com o AGAPE, faz uma mudança radical em nós, não da água pro vinho, não, a mudança é aos poucos, mas vamos mudando radicalmente e gradativamente. Radical: por deixarmos de tentar escravizar Deus. Gradual: pois é feita bem devagarinho, sem nos agredir.
Se você ainda não experimentou desse Amor e desse jeito, peça ao Senhor que tenha compaixão de você. Clame e suplique ao Senhor que venha em seu socorro. E se seu desejo em conhece-Lo desse jeito, e dessa forma, for um desejo autêntico, Deus lhe concederá essa graça. Leu bem o que escrevi? G R A Ç A ! É de graça. Independe de meu ou seu mérito pessoal. Você não recebe porque não pede. Pede mas pede mal e muito mal... Você não pede o essencial. Limita-se a leis e legalidades, feito os tais escribas, sem buscar o essencial: que é ter Deus em essência em seu ser.
Pedi e recebereis: diz o Senhor.
Abraço. Lourdes.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009


... TERIA PASSADO UMA MANTEIGUINHA.
Estórias de Dona Margarida, minha mãe. Aliás, contadora de estórias fantásticas, é minha mãe.
Diz que um dia uma pessoa pediu à Jesus que viesse visitá-la. E Jesus em locução interior lhe disse: “Pode esperar que virei lhe visitar um dia desses.”.
Um desses belos dias um mendigo apareceu na casa dessa pessoa e pediu: “Você poderia me dar um pouco de pão com café?” Ela respondeu-lhe:” Tenho aqui um pedaço de pão duro, toma e sai logo daqui, pois estou esperando a visita de alguém importantíssimo, e não tenho tempo pra gastar com você. Saia logo daqui!” O mendigo agradeceu pelo pão duro e saiu rapidinho. A pessoa importantíssima é Jesus, era por Ele que ela esperava.
E nada de Jesus aparecer. Daí ela queixou-se com Jesus: “Você nunca mente, esperei por Sua visita e você não veio por quê? Jesus respondeu-lhe: “Vim simmmmm”! Lembra aquele dia que um mendigo bateu em sua porta? Ela disse: Sim. Pois então... era eu.
A pessoa ficou toda desconcertada, sem saber o que dizer, de tão envergonhada. Respondeu: Então era você o tal mendigo? Jesus respondeu: Sim.
Ahhhhh!!! Jesus!!! “Porque você não me disse, se soubesse que era você, teria pelo menos passado uma manteiguinha no pão.” Rsrsrsrsrsrsrsr.
Que coisa horrível, nãooo??? Se ela soubesse que era Jesus, daria a Ele o pão duro, só que um pouco mais caprichado. Viu só?
Cuidado com quem bate a sua porta. Pode ser Ele. Pode ser Jesus. Será que você teria coragem de dar a Ele um pão duro... Talvez com uma manteiguinha? Ou nem isso.
Abraço. Lourdes.

ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO X GENTE = INDIGNAÇÃO


Vendo esta foto... Que tal cuidar dos dois com todo amor e carinho. Seria legal, né mesmo?
Gosto de andarilhos e ando com eles às vezes aqui em minha cidade. Eles normalmente são inteligentíssimos.
Sabe que um dia nessas minhas andanças, e, diga-se de passagem, uma mulher toda arrumadinha, socialmente vestida e de aparência sóbria (rsrsrs... só aparência viu?), andando com mendigos e andarilhos? Só pode não estar batendo bem da cabeça, foi o que tive de ouvir e ficar quieta. Uma senhora da Igreja disse para uma parenta minha: Coitada da Lourdes, filha da Dona Margarida, tá louca... Ela tá andando com mendigos, pode uma coisa dessa? Gentemmm... Se eu não estava louca, acabei ficando por causa dessa observação dela. Não só fiquei louca, como fiquei indignada com esse infeliz comentário.
Mas vocês hão de convir comigo, que não existem muitas pessoas dispostas a ouvir, e muito menos acompanhar os mendigos de rua, né mesmo? Ela tem toda razão. Ninguém anda com mendigos. É estranho, esquisito. Concordo. A não ser meus amigos da Toca de Assis e os Vicentinos que tem isso como um carisma, caso contrário, é estranho mesmo, essa afinidade de ser humano com ser humano.
Já vi essa afinidade de seres humanos com cachorros. Né mesmo que tem gente que trata o cachorro, melhor que trata os seres humanos e aos mendigos? Você conhece alguém assim? Que tem tanto zelo por seu animal de estimação, mas que nenhum zelo pelo seu irmão carente? Nenhum, significa, nenhum. Passam com seus poodles cheirosos bem longe dos mendigos, para que o poodle não pegue as pulgas deles. Quanto cuidado com um cachorro e nenhum cuidado com as pessoas.
Sei que os animais precisam de carinho, afeto e zelo, mas sem exageros. Sei que os não animais, que são meus amigos de rua, precisam muito mais de carinho, afeto e zelo, muito mais que qualquer animal irracional.
Tem animais bem gordinhos e saciados em suas necessidades, e tem muitos pobres morrendo de frio e fome, sem nenhum cuidado e sem ninguém que supra suas necessidades mais básicas.
Pense nisso! Quem são os loucos?
Abraço. Lourdes.

EU ACREDITO EM MILAGRES


Não sou São Tomé que tenho que ver prá crer, mas tem gente que é. Então aí vai:
Tenho uma sobrinha chamada Rosângela que era portadora do mal de cron, já ouviram falar? Uma síndrome que ataca o intestino e normalmente leva a morte, pelo menos era assim a uns anos atrás.
Quando minha sobrinha descobriu o cron, não havia medicamentos aqui no Brasil, somente na Alemanha e somos uma família pobre, portanto não tínhamos como comprar os medicamentos, mas cada um ajudando com um pouco conseguimos os remédios, com muito custo.
Só que a doença instalou-se de tal forma que minha sobrinha foi ficando magrinha, que chegou a pesar somente alguns quilinhos, tão frágil e pequena ficou.
Ela chegou a ficar na UTI e em estágio terminal segundo os médicos, não segundo Deus. Só que a gente não sabia que Deus estava preparando um grande milagre para nós. Uma grande surpresa.
Ela mora em Eugênio de Mello, uma cidadezinha bem pequena, e na festa da cidade todos decidiram fazer uma procissão para o santo da cidade, e colocar a Rosangela como a pessoa principal por quem deveriam rezar.
E sabe o que aconteceu?
Quando os médicos disseram: “tiraremos os tubos da Rosângela, pode procurar a funerária e providenciar o funeral, pois ela não resistirá”. Todos ficaram desconsolados. Mas só que ela resistiu... Rsrsrsrsrs.. Coisas de Deus Pai.
Depois de tirados os tubos, ela foi restabelecendo a vida, a saúde, e todos os quilos que havia perdido. Hoje está lá! Linda de viver, para quem quiser ver. Para os São Tomés de plantão.
Ela é uma mulher de fibra. Nunca desistiu de viver. Essa é uma das chaves e a chave Maior: Deus assim quis. Força da oração. Pois tudo pode ser mudado pela força da oração.
Tudo para honra e glória do Deus Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.
Abraço.

SPA.


SPA: Síndrome do Pensamento Acelerado. Essa é a síndrome da geração atual e até atinge nossa geração, nós que somos cinqüentões. Rsrsrsrsr. Gosto de me ver assim cinqüentenária.
Mas andei dando uma lida sobre SPA, e parece-me se coisas desse tempo mesmo, daí o fazermos tudo corridinho, não damos tempo nem para nós e nem para os outros respirarem.
Meus pensamentos são acelerados e atropelados. Rsrsrs.. Verdade! Não só tenho pensamentos rápidos como vários ao mesmo tempo, penso entrecortado. Coisas do tempo atual.
Penso acelerado, mas minhas atitudes nem sempre correspondem aos meus pensamentos, ou seja, normalmente não faço coisas aceleradas. Nem ando acelerado.
Mas gosto de fazer várias coisas ao mesmo tempo, quando se trata de assuntos de casa. Cozinho, lavo e passo, quase tudo ao mesmo tempo. Como assim? Simples. Enquanto a comida está fritando ou o feijão cozinhando, aproveito para fazer outras coisas. Enquanto a máquina, quando a “bençoada” está funcionando, está lavando as roupas, eu aproveito para fazer outras coisas. Deixo o fogão e a máquina fazer a parte deles, enquanto isso faço diversas coisas.
Inclusive quando estou no computador, e ele é sempre muito lento, enquanto ele entra para trabalhar eu aproveito para fazer outras coisas. Varrer a casa e coisa e tal. É assim minha vida, mas normalmente faço tudo devagar.
Quando li sobre a SPA, fiquei pensando em como resolveríamos esse caso de pensamentos acelerados. Rezar o terço às vezes me ajuda há desacelerar um pouco a cabeça demora um pouco, mas consigo. Adorar o Santíssimo também, me ajuda nesta tarefa. Mas quando estou fazendo serviços braçais, minha cabeça sempre está a mil. E diante da TV? Mesma coisa.
A desaceleração pode ser conseguida também, quando tento parar e silenciar. Silenciar a boca, evitar falar, coisa rara essa. Rsrsrs. E silenciar o coração. Aquietar. Ficar em silêncio dentro e fora de mim. Isso ajuda e bastante.
Quer tentar? Pois assim poderemos evitar o stress, pois pensar quase 24 horas por dia não é mole não, e dá um cansaço danado.
Bom repouso, bom descanso mental... Silencie.. Silencie-se.
Abraço.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

ADORO JESUS!


Um dos motivos que me levaram a ler a Bíblia foi esse: adoro Jesus.
Lí muitas Bíblias:a Popular, a TEB, a CNBB, a AVE-MARIA e mais uma ao qual não me lembro o nome agora. Mas li todas elas. Algumas estudei, outras li de Gêneses a Apocalipse. Não conheço muitas pessoas que assumem terem lido a Bíblia assim e desse jeito, mas foi gostoso. Muitas coisas estão em meu subconsciente e coloco em prática, nem preciso mais ler a Bíblia, pois me parece que aquilo que Deus queria que eu guardasse na mente, na alma e no espírito, estão tudinho aqui dentro de mim, é só pedir que o Espírito Santo de Deus me revela o que Ele quer para aquele dia.
Não quero que ninguém faça assim: abrir a Bíblia sem ter nenhum conhecimento da Palavra e tentar por em prática o que seus olhos estão lendo. Ler a Bíblia em pedaços, pois como disse um sacerdote: “E se por acaso cair na passagem em que Judas Iscariotes suicidou-se, você pode pensar que Deus quer isso prá você também.” Entendeu? Então nada de ler pedacinhos da Palavra se você ainda não gastou seu tempo estudando-a no todo.
Mas comigo acontece assim: quando quero alguma palavra rápida de socorro, abro a Bíblia e meus dedos caem exatamente naquilo, na palavra que tenho que viver ou falar pra alguém.
Normalmente não preciso ler na Palavra, mas em caso de dúvidas sobre se o que tenho a falar é de verdade aquilo que vai ser o melhor para meu irmão, abro a Bíblia no lugar certo e na passagem certa, e se confirmar, o que sempre acontece, mas se confirmar o que estou pensando posso falar ou colocar aquilo em prática com tranqüilidade, e não errarei. E não erro quando faço isso e desse jeito. Deus é ou não é maravilhoso?
Em relações conflituosas em que quero tomar decisões precipitadas em relação a alguma agressão sofrida, pergunto ao Senhor: “Como devo agir nessa situação?”.
Se vir a locução interior assim: “Não reaja, pois passando alguns dias a pessoa que lhe ofende cai em si e se arrepende do que fez. Ficará toda envergonhada.” Então mesmo que eu esteja explodindo, engulo o sapo com as perninhas arreganhadas e deixo prá lá. E tudo acontece como o Senhor me inspira, as coisas se ajeitam da melhor maneira.
Mas se a locução interior me fala: “Pode se defender porque isso que estão fazendo com você não vem de Deus, mas é o mal que está falando através da pessoa. O lado ruim de sua personalidade é que está fazendo isso, e você não vai crescer nada com isso, pode defender-se.” Eu me defendo e sem me preocupar se o que estou falando ou fazendo vai magoar a pessoa ou não. Pois tem certas atitudes que as pessoas tem conosco, que nos humilham e que não faz de nós pessoas mais santas não. Se for assim, então pode revidar sem nenhum constrangimento. Ouça seu coração se você crê que Deus está em você, ou nele.
Não pense que sempre que lhe ofendem você deve ficar quieta não. Tem ofensas que você pode revidar e mostrar para a pessoa o mal que ela está fazendo a todos ao seu redor.
Mas quando a adorar a Jesus? Esse foi o maior motivo para eu querer ler a Bíblia, eu queria conhecer tudinho, ou o máximo que podia sobre meu Mestre e Senhor, nosso Mestre e Senhor. Mas como conhecê-Lo se não lermos seus comportamentos e atitudes diante da vida e da morte?
Aprender com quem sabe e sabe muito das coisas é ser sábio também. Não conheço ninguém mais sábio que Jesus. Não conheço ninguém mais intimo do Deus Pai que Jesus. Então porque não conhecê-Lo mesmo que nem seja digna de desatar as sandálias de seus pés? Mas tentar eu posso, não?
Que tal conhecer o Senhor através de sua biografia, a Bíblia?
Abraço e boa leitura. Comece hoje!

RECEPTORES DA DOR DO OUTRO: SENSITIVOS


Isso acontece comigo e com muita freqüência. Às vezes estou super bem, mas de repente isso muda, e como estou na fase de mergulhar em águas mais profundas do auto conhecimento, quando esse sentimento ruim começa a aflorar, tem logo uma voz interior que me avisa: “OPA! Isso não é seu.” Vá ver se está tudo bem com a pessoa que está a seu lado ou com as pessoas que estão ao seu lado. Tem alguém sentindo isso que você pensa estar sentindo? E batata... Como diria meu pai, sempre tem um “bençoado (a)” sentindo tudo aquilo que eu sentia, e que não tinha absolutamente nada a ver comigo.
Segundo sei, e o que sei é pouquíssimo em relação a isso, mas dizem que isso é próprio de pessoas sensitivas, usando termo parapsicológico. Não é porque somos bipolares, ou por causa de transtornos de personalidade, embora muitos pensem que seja por causa da doença, mas na realidade são peripécias de nosso cérebro que possui essa faculdade.
O único problema para mim é o não saber como cortar essas tais ondas cerebrais doentes que entram em nosso cérebro. Não sei como me proteger contra isso.
Sei que é próprio de pessoas sensitivas, mas ainda não sei como colocar uma redoma para que os males não me atinjam, quem sabe alguém já descobriu como podemos lidar com o sofrimento alheio, sem que isso nos faça tanto mal. Por isso muitos sensitivos detestam estar em comunidade, e dizem que ele tem o tal PÂNICO, claro que temos que ter muito cuidado conosco e se vermos que estar em determinados ambientes negativos, ficamos contaminados, digamos assim, e se não sabemos ainda como proteger-nos contra isso, o remédio é nos isolar, nem que seja por um tempo.
Mas os sensitivos são assim desde que nascem, portanto o captar, inclusive os males de nossas mães, é algo que acontece de uma maneira gritante conosco, enquanto estamos sendo gestados.
Temos esse poder, essa faculdade paranormal, mas como lidar com isso? Sei lá! E digo que não é nada de mediunidade, pois não sou espírita. Sou Católica Apostólica Romana e nada de sincretismos religiosos.
Eu costumo rezar. Peço em oração que o Senhor tire de mim esse mal que sei não me pertencer, e quase sempre funciona como proteção, mas nem sempre. Quando o sentimento ou a dor do outro é muito forte, nem sempre consigo dominar isso em mim.
Mas um dia saberemos como lidar melhor com isso.
Mas não te preocupes nada te perturbe, nem te amedronte, pois Deus que é bondade colocará as pessoas certas, no momento certo para nos ajudar. Sei disso!
Abraço. Lourdes.

CRESCEI E MULTIPLICAI-VOS...


Uma noite estava vendo uma pregação de um pastor evangélico sobre essa realidade do Crescei e multiplicai-vos. Ele fêz uma colocação muito profunda. Não somente colocou em foco a maternidade e a paternidade biológica, mas foi muito mais além dos laços sanguíneos. Disse-nos da beleza em sermos pais, mas falou do ir além de sermos pais e mães na carne, digamos assim.
Falou dos inúmeros filhos de Abraão, que seriam como as estrelas do céu, tal o número ilimitado deles. Falou da paternidade espiritual, mas falou tão claro e tão lindamente que fiquei empolgada, de como seria ser assim. E até despertou em mim ainda mais o desejo de ser mãe espiritual, já que tinha isso em minha alma há muito tempo.
Ser mãe de muitos e muitos filhos é algo verdadeiramente divino. Ir além de nossa casa e de nossa família, que no caso seria ir além de nós quatro. Isso verdadeiramente requer de nós uma coragem surpreendente. Ter um coração capaz de abrigar a quem estivesse precisando de abrigo. Não interessando classe social, cor, raça, idade, religião... Somente abrigar a quem precisa. Isso só pode ser coisa de Deus Pai mesmo, desenvolver em nós tais sentimentos. Dar a nós um coração tão grandão, tão pleno da graça a ponto de nos doar a quem precisar de nós. Isso é de uma beleza angelical, penso eu.
Gosto de ser e de me ver assim, apesar da grande responsabilidade que sei ser essa missão, pois exige de nós sacrifício e um testemunho de vida muito rígido e ajustado a Vontade do Pai, mas é possível, apesar de nossas misérias e limitações. Mas Deus quer isso em nossa humanidade. Para que a graça aja é preciso que exista a humanidade. A graça sempre pressupõe a nossa humanidade. A gratuidade de Deus está ligada totalmente a nossa humanidade, simplesmente porque Ele quer assim.
Obrigada meu Senhor e meu Deus, porque tudo é seu.
Lourdes.

SOU FILHA DE ARTISTA...


Sou filha de artista... Filha de peixe? É peixinho, diz a lenda. Rsrsrs.
Meu pai Lindolfo era tocador de viola e violão. Tocava nos forrós da roça.
Em casa por conta da genética, somos cantores e quase todos nós tocamos violão.
A música está em minha veia. Sempre me pego cantando sem mais nem por que. Coisas de filhos de músicos penso eu.
Tenho uma voz bastante afinada segundo sei e me falam. Sei, porque ouço né mesmo? Mas sei também porque me ouvem. Rsrsr.
Já cantei há muitos anos atrás em lanchonetes, hoje não mais. Louvo bastante ao meu Senhor quando canto na Igreja. Adoro fazer isso, faço com toda minha voz, coração e alma. O canto de louvor me liberta de toda e qualquer tristeza que possa ter.
Gosto de vários estilos musicais, e toco muitas músicas de estilos diferentes também. Gostava de tocar sozinha em casa, lia o violão guitarra, livrinho de música do meu tempo, talvez ainda exista, sei lá.
Aprendi o C, Am, Dm, G7 em casa e ainda muito criança. Minha primeira canção? Luar do Sertão! Óbvio, não poderia ser diferente, né? Depois fui aprimorando e agora já faço posições mais difíceis, mas aprendi isso sozinha. Sozinha nãoooooo! Eu e a Vigu, a tal violão guitarra.
É gostoso demais tocar e cantar, mas não gosto de tocar em público, pois sou insegura. E assumir compromisso de tocar e cantar seja lá onde for? Nunca mais. Compromisso?? To fora. Rsrsrs.
Gosto e canto: Elis Regina, Beto Guedes, Roberto Carlos, Lobão, Renato Russo, Paralamas do Sucesso, Rita Lee, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Tim Maia, Fundo de Quintal. E músicas católicas ou cristãs. De meu amigo Dunga, Flavinho, Pe. Jonas, Pe. Zezinho. Pe. Joãozinho, Aldeias de Vida, Belo, Pedrinho da Orora... Enfim sou eclética de verdade. Mas o cantar realmente me leva a contemplação e quem canta deve rezar duas ou duzentas vezes mais do que quem não canta, penso eu.
Já cantei no coral de minha cidade: Coral Maria de Nazareth, eles são ótimos, mas não participo mais.
Enfim, ta aí um pouco mais de mim. Gostoso deixar-se ou fazer-se conhecer.
Se tivermos gostos em comum, que tal comentar?
Abração.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

O SER HUMANO VISTO POR PARTES


Quando fazia tratamento para os males da alma, meu médico me disse: Não me fale de coisas espirituais, pois disso cuidam os padres, procure um. Não me fale de parapsicologia, pois disso cuidam os parapsicólogos. Não me fale de dores físicas, procure médicos adequados, fale-me de você e de seus sentimentos e afetos desordenados, essa sim é minha área.
Puxa!! Que saudade de meu clínico geral. O médico Dr. Silvio, clínico geral que cuidava de todos em casa e cuidava de tudo, isso na minha infância. O homem era sábio mesmo e cuidava da gente por inteiro e não por partes.
Hoje não tem mais quem cuide de você desse jeito. Afinal, somos um todo e não partes de seres humanos, e como falar somente de uma parte sua, de suas feridas da alma se todo seu ser parece estar enfermo?
Uma coisa é sempre reflexo da outra, mas não existem mais médicos que se especializem no todo de nosso ser. Médicos especialistas em gente. Hoje existem médicos especialistas em partes da gente.
Tem seu lado positivo, assim se preocupando somente com uma parte, se as outras estiverem precisando de cuidados, outros 100000000 cuidarão do resto, né mesmo?
Coisas da vida! Coisas atuais e da atualidade! Coisas do desenvolvimento da tecnologia e do ser humano, desenvolvimento esse que mais parece algo de retrocesso, que desenvolvimento propriamente dito.
Abraço.

PRISON BREAK


Quebra das prisões, seria o título em português.
Assisti quase toda essa série. É muito interessante, porém de uma violência sem igual, não é algo que eu recomende a ninguém assistir, mas parece-me que é ou era uma das séries de maior audiência nos Estados Unidos, e como ela apareceu aqui em casa, decidi vê-la.
De todo o horror que vi lá, uma coisa me deixou intrigada, sobre o irmão que daria a própria vida para salvar seu irmão.
Um jovem que deixou-se prender para tentar salvar o irmão.
Alguns psiquiatras chamaram esse tipo de comportamento de: síndrome de salvador, ou seja, não é um comportamento normal.
Por que será que dar sua vida para salvar outra não é tido como um comportamento saudável, segundo os psiquiatras.
Porque o tentar a todo custo salvar alguém, não é um sentimento normal e natural ao qual todos deveriam ter acesso. Mas parece-me que segundo os doutores da alma é assim que viram o comportamento do irmão, tentando salvar o irmão. Viram como uma síndrome.
Tenho um certo gosto em pensar que de alguma forma poderia dar minha vida em favor de alguém. Mas não vejo nada de anormal nisso, já que Jesus fez isso por toda a humanidade, e para mim Jesus é um ser totalmente sarado, curado no corpo e na alma. Não vejo nada de insano em Jesus. Portanto: penso que quem estão errados, são os doutores da alma em dizer ou rotular o personagem dessa forma. Sei lá! Esse é somente meu ponto de vista.
Posso ser eu a estar errada, não pretendo ser e nem sou a dona da verdade, sou somente dona-de-casa, do lar como dizem muitos, e nem de casa sou dona!! Rsrsrsr. Que dirá querer ser dona da verdade. Sou não.
Abraço. Lourdes

ADI: ABORDAGEM DIRETA AO INCONSCIENTE


Dra. Renate Jost de Moraes é a criadora deste método de cura.
Ela usa deste método na Fazenda da Esperança de Frei Hans. Minha cunhada é amiga pessoal da Dra. Renate. Diz que ela é bárbara de verdade e que o método funciona.
Quando fiz minhas Aldeias de Vida, em setembro de 1998, entrei num processo totalmente desconhecido por mim, dizia para as pessoas que parecia que meu inconsciente ou subconsciente estava iluminado. Mas como assim? Meu cérebro entrou num processo de auto conhecimento e auto descoberta de coisas que nunca pensei que existissem. Era algo muito esquisito, pois comecei a entender sobre linguagem subliminar, comecei a analisar o comportamento das pessoas, suas roupas, maneira de falar ou sentar, e a partir daí comecei a entender o que a pessoa estava pensando, mesmo antes dela abrir a boca. Achei isso esquisitíssimo, pois nunca tinha estudado nada sobre linguagem subliminar, aliás, nem sabia que existia tal linguagem, ou seja, as pessoas colocam coisas de forma não muito clara e seu cérebro capta essas mensagens. Dizem que profissionais de grandes empresas fazem isso em suas propagandas, aprendem como fazer isso para estimular as pessoas a serem dependentes das coisas, sem que elas nem percebam que estão sendo manipuladas, coisas dessa linguagem aí.
Mas eu não estudei e nem entendo bem essas coisas, sou leiga. Mas isso aconteceu comigo, se quisesse manipular as pessoas nessa época conseguiria com tranqüilidade, por estar tendo consciência desse poder de nossa mente. Coisas estranhas essas...
Outra coisa, não sabia que psicólogos psiquiatras e profissionais em relações humanas estudavam as posturas das pessoas e somente pelo fato de como sentamos, já sabem quem somos em parte, se somos tímidos ou não. Pelo modo de olharmos para a direita ou para a esquerda, para cima ou para baixo, isso já sabiam se estávamos mentindo ou não. Coisas desse tipo. Mas se nem sabia disso, como é que meu cérebro começou, a saber, isso gente? Sem eu ter estudado? Eu simplesmente nesta época ficava sabendo essas coisas. Pela roupa que você usava, sabia se estava triste ou feliz. Mesmo se sua aparência me dissesse uma coisa e seu rosto outra. Não adiantava disfarçar, pois eu sabia o que estava acontecendo no interior das pessoas.
Daí fui descobrir que existia esse método da ADI, que leva as pessoas a viverem justamente esse processo de descoberta.
Mas digo uma coisa a vocês, para mim foi muito complexo ter que lidar com tudo isso e dessa forma, sem ter ninguém que me auxiliasse. Foram tempos muito difíceis esses, pois uma coisa é você ter um profissional lhe auxiliando, outra é você e sua família que não entendia nada do que estava acontecendo ter que aceitar e conviver com tudo isso, sem saber do que se tratava Tempos difíceis.
Mas somente há alguns anos atrás, descobri que é um processo natural de auto conhecimento e que todos que desejarem trilhar esse caminho de alguma forma viverão isso. O que interessa é que venci... Vencemos... Agora já sei o que acontece e de alguma forma posso ficar sossegada.
Hoje já não sei mais nada sobre linguagem subliminar ou postura das pessoas, não mais a nível consciente, mas vivi esse processo.
Se você já viveu algo parecido? Acredite você é normal. Não temas!
Abraço. Lourdes.

DEPRESSÃO- Pe. CABRAL - PARAPSICÓLOGO


Freqüentei muitos anos atrás, sessões de parapsicologia com Pe. Cabral, em Aparecida. Eram sessões feitas em um auditório, com o sentido de auxiliar pessoas com problemas psicológicos, fossem eles quais fossem.
Um dos exercícios que ele nos ensinou para que todos não pudessem ter crises de depressão, foi o seguinte:- Deixar em lugar bem visível pode ser na porta da geladeira, escritas as seguintes palavras:
- NÃO TENHO CULPA DE NADA.
- NÃO PERDI NADA.
- NÃO SOU NENHUMA COITADA, NEM PROBREZINHA.
Esses são sentimentos que DESENCADEIAM em nós a tal depressão.
O sentirmos culpados pelas coisas de mal que acontecem conosco ou com as pessoas ao nosso redor.
Aliás, a Irmã Maria de Lourdes Sávio em seu curso de Vida em Plenitude, nos ensina que seja o que for de mal que estiver acontecendo, seja com quem for o PROBLEMA está na pessoa e você não tem nada a ver com isso. Devolva o problema ou no caso o presente ruim, o mau humor, para a pessoa, nem precisa verbalizar, mas pense assim: isso está nela, o mal é dela e não meu NUNCA assuma problemas dos outros para você mesma. Não aceite presentes ruins, coisas ruins que as pessoas querem jogar em seus ombros, como se fossem seus, pois NÃO SÃO!
Cada um precisa aprender a lidar com seus problemas e tentar resolvê-los ou não.
O sentimento de PERDA, também nos leva a depressão, se não soubermos lidar bem com ele. O saber que ninguém nos pertence, todos pertencemos a Deus, portanto Deus nos dá e nos tira, quando, como e quando quiser, seja lá o que ou quem for. Isso nos liberta do APEGO EXAGERADO às coisas e pessoas, sentimento esse que nos leva a ficarmos muito tristes.
A baixo auto estima o sentimento de sermos vítima de algo ou de alguém, também faz mal, e nos põe para baixo. É bom saber que seremos vítimas dos outros se permitirmos que façam isso conosco. Caso contrário o sentimento de coitadinha deve ficar bem longe de mim e de você.
Espero poder ajudá-los de alguma forma.
Abraço. Lourdes

domingo, 20 de setembro de 2009

MEUS FILHOS... MEU MUNDO...


Antigamente aqui em casa a gente brincava assim: Crianças? Adoro os filhos dos outros. Mas depois que tivemos nossas próprias crianças, adoramos os nossos filhos. Somos capazes de fazer os maiores sacrifícios por eles mesmo agora já adultos. Sempre pensamos que os filhos não pediram para nascer, então o tentar dar o máximo de nós por eles é importante. Não significa que o nosso máximo, esteja dentro das expectativas deles. Nada disso! Filhos sempre exigem mais de nós pais. Isso é natural. Mas procuramos dar o nosso melhor e isso basta.
Hoje nossos filhos são nosso mundo, nosso universo, nossa alegria. Se estão felizes também estamos, mas se estão infelizes sofremos um bocado com eles.
E se estão adoentados então? Nossa! Preferiríamos que a dor estivesse na gente e não neles.
É difícil ver nossos filhos sofrendo e algumas vezes somos impotentes diante de seus sofrimentos.
Não sei onde aprendi essa expressão: MEUS FILHOS... MEU MUNDO...
Mas que na verdade é assim e isso mesmo. É.
E tenho dito.
Abraço. Lourdes.

VENDO ATRAVÉS DA JANELA


Só se vê bem quando se vê com o coração.
Há muito tempo atrás li uma estória mais ou menos assim:
Estavam dois pacientes no mesmo quarto do hospital. Um era cego e o outro não. O cego perguntou ao que via o que ele enxergava dali da janela, já que ele não poderia ver. E o conhecido de quarto disse-lhe:
Vejo um parque, com crianças brincando, muito felizes. Vejo pássaros, árvores, muita vida e muita alegria. Descrevia todo dia uma paisagem sobre o tal parque.
Depois de alguns dias não sei se o paciente veio a falecer, ou se teve alta, mas o final da história foi mais ou menos assim:
Veio outro paciente no lugar do que tinha saído, daí o cego pediu para que esse também descrevesse o que tinha lá fora, além da janela do hospital. E o outro paciente respondeu: Não tem nada além de uma parede de pedras. Só tem uma parede e nada mais que isso.
Coisa interessante: tem gente que consegue ter a alma tão doce a ponto de adoçar a vida dos que sofrem, principalmente daqueles que não conseguem enxergar, mas tem outros que preferem à vida tal qual ela é... Nua e crua.
Nua demais e crua demais.
Eu de minha parte preferiria fazer parte da primeira parte da história, mas muitas vezes passo aqui a realidade com toda dureza que ela se apresenta. Preciso aprender a ser mais doce e a adoçar mais a vida dos meus semelhantes, a começar pelos meus aqui em casa.
Abraço. Lourdes

ÁGUIA OU GALINHA? A ÁGUIA E A GALINHA... Frei Leonardo Boff.


Um dia decidi dar de presente este livro para o Monsenhor Francisco Cândido. E disse a ele assim: Pe.? O Espírito Santo mandou que eu lhe falasse para ler esse livro: A Águia e a galinha de Leonardo Boff. Ele riu e deve ter pensado assim: como é que o Espírito Santo mandou alguém me dizer alguma coisa, se esse livro parece-me que nem existe? E disse-me assim: Esse livro não existe, menina.”
Fui à livraria mais próxima e encontrei o tal livro e dei de presente com a dedicatória: “Não sei o que o Espírito Santo quer do Senhor para pedir-lhe para ler esse livro, e como não o li e nem sei do que se trata, somente estou cumprindo ordens. Espero que o Espírito Santo o ilumine.”
Foi mais ou menos isso que escrevi, pois faz muitos anos e nem me lembro direito.
Mas sei que resolvi pensar em como sou: sou águia ou galinha?
Cheguei à conclusão que estava vivendo somente como galinha embora meus pensamentos sempre fossem de águia. Sou tipo contemplativa, sou feita para o alto e para as alturas.
Fui criada para ser galinha, pensava eu:
Ser subserviente, obediente ao extremo.
Ser sem voz e nem vez... Obedecer.
Receber o pão de cada dia, sem muitos esforços, tipo milhos jogados para as galinhas.
Criada numa redoma ou cercado, cheia de limites impostos.
Sufocada pela mediocridade.
Cheia de complexos por conta disso.
Levada a viver uma vida medíocre e sem nenhuma expectativa de mudança.
Enfim pensem em galinha... Pensem em Lourdes... Rss... Rindo porém sem achar graça nenhuma, nesta desgraceira.
Mas fui criada assim.
Então pensei: devo ser isso mesmo, sou apenas uma galinha sonhando em ser águia. Sonhando com o infinito e com as alturas.
Daí cheguei à seguinte conclusão: fui criada no meio de galinhas e me fizeram crer que era como elas. Tiraram de mim o mais belo, que era sonhar com as alturas e tentar voar. Cortaram minhas asas para que eu parecesse com galinha e assim todas as vezes que tentava levantar vôo, claro que não conseguia. E pensava: Boba! Uma galinha querendo voar, coisa mais ridícula essa!
Depois fui vendo que estava fora de meu habitat natural. O galinheiro não é nem nunca será meu habitat. Aquilo para qual fui criada.
Penso que tem pessoas que são galinhas e podem até ser felizes assim, mas essa não parece ser minha condição.
Vivi na condição de galinha e fui muito infeliz, agora vou tentar levantar vôos e quem sabe vôos mais altos. O mais alto que eu puder ir. Tentar não custa, né mesmo?
E você? Já fêz suas escolhas. Ser um pouco de cada é muito bom e é ponto de equilíbrio segundo Leonardo Boff.
Mas meu momento é de águia.
Abraço. Lourdes.

MESMO ENFERMA, EU SOU GUERREIRA!


O Pe. Jonas Habib, nosso pai espiritual da Canção Nova, nos ensinou uma coisa a vida toda: SEU ROSTO É PARA O OUTRO, PORTANTO NADA DE MOSTRAR TRISTEZA, OU DEPRESSÃO... CARA ALEGRE... SEMPRE.
Ele nos ensinou assim.
Daí um dia vi uma pregação ou li em algum lugar a qual não me lembro, isso: JESUS NÃO SE ENVERGONHOU DE SUAS MISÉRIAS, ao contrário nos ensinou que: MESMO ENFERMOS SOMOS GUERREIROS, E GUERREIROS DO SENHOR.
Jesus era quem era e não usava nenhum tipo de máscara. Se estava feliz, estava verdadeiramente feliz, mas se estava em agonia, triste e sentindo-se abandonado Ele não escondia nunca nada de ninguém. Era quem era e pronto.
Mas penso, tomando-me por base,que quando estou muito mal, o simples fato de passar uma pinturinha no rosto, um baton, ou arrumar-me um pouco melhor, me faz com que sinta muito melhor, do que quando me olho no espelho e vejo-me triste, com olheiras e coisa e tal. Faz um bem para mim, então deve ser bom para o outro também.
Mas também estampar no rosto sempre a fisionomia de serenidade, sem realmente a alma estar serena, alegria sendo que a alma está triste, não penso que Jesus faria isso, pelo menos naquilo que li e sei sobre Jesus.
Fico pensando no que aconteceu quando Jesus disse: Pai, por que me abandonas-te? Sabe a repercussão que essas palavras de agonia e abandono tiveram para quem ouviu e era seguidor do Mestre? Puxa vida! Se Ele que é Filho de Deus, está sentindo-se abandonado por seu Pai, que dirá nós? Coitados de nós, muito mais ainda, nós estaremos sós. Será que essa história de ser Filho de Deus, é mentira? Pois se fosse, não estaria sentindo-se só e abandonado, estaria sereno. Tem alguma coisa de contra testemunho aqui certamente pensaram eles.
Com certeza isso passou pela cabeça de muitos. Muitos desistiram de segui-lo por conta disso. Pelo fato do Filho de Deus não ter escondido sua face de agonia e tristeza.
Penso que devemos deixar de lado nossa pré-ocupação de não sermos aceitos com todas nossas fragilidades, pois somos humanos e frágeis e é bom que todos saibam disso.
Sabe que quando vemos alguém fragilizado, doente e mesmo assim não negar sua fé em Deus, mesmo que às vezes até duvide de sua fé, nos faz mais fortes. Pois estarmos felizes e cheios de fé, quando estamos bem, é fácil. Como dizem meus filhos: é mole prá nóis. Mas dar testemunho de fé e coragem na hora da doença é muito difícil. Na verdade não gostamos que vejam nossas fragilidades e fraquezas, mas somos assim: FRÁGEIS E FRACOS. Concordam comigo? Ou não.
Parece-me mais simples e mais fácil, sermos somente quem somos, frágeis mortais e somente isso.
Abraço. Lourdes.

BIPOLARIDADE


Por experiência própria, posso colocar alguma coisa aprendida através dessa doença.
O humor se torna instável, e isso pode acontecer durante as 24 horas do dia. Tipo assim: podemos acordar bem, daí a algumas horas ficarmos mal e assim por diante até a hora de dormirmos. Essa variação de humor acontece.
Quando estamos no pico da doença podemos fazer coisas que normalmente não faríamos. Isso em relação a sexo. Em relação às coisas que vão contra totalmente aquilo que você tem como moral e ético. Tentativa de suicídio ou vir a morrer por conta disso. No meu caso a ansiedade sempre me levava a comer exageradamente, não tenho problemas com o apetite. O querer que tudo seja totalmente transparente, também é um dos itens da bipolaridade.
Medicamentos: nem sempre queremos fazer o tratamento, porque inicialmente os remédios nos fazem um mal danado, isso foi comigo, não sei se com outros pacientes acontece o mesmo. Tive que tomar vários tipos de remédios para poder saber aquele que faria menos mal. E isso durante muitos e vários anos.
Lutei muito e durante muitos anos contra esse mal. Atualmente parece-me estabilizado. Não tomo nenhum tipo de remédio e nem faço mais terapia psíquica, somente espiritual.
Ir à missa e estar em comunidade.
O querer estar só e se isolar por vários dias fazem parte do processo da bipolaridade. O não querer tomar banho por vários dias também. O irritar-se e durante esse processo de irritação poderemos cometer homicídio, pois não temos o controle sobre nossas reações.
O choro convulsivo, o falar exageradamente, a tristeza profunda pode ser uma constante.
A terapia é importantíssima nessa doença, pois o profissional pode levar você a enxergar coisas que você não vê por estar doente.
A vontade de desistir de tudo, inclusive da vida é normal nessa doença.
A fuga geográfica também, o andar sem rumo, sem ter para onde ir (minha avó paterna saiu andando e nunca mais foi encontrada).
A genética também contribui e muito para a doença desenvolver-se.
Mas como Deus é bom, e um bom Pai, Ele não desampara seus filhos e hoje penso estar quase curada desse mal. Ainda tenho certas recaídas, o saber lidar com isso já é mais fácil.
Em mim por causa de ser mulher a TPM me incomoda bastante, parece-me ser mais difícil lidar comigo neste período que nos outros dias do mês.
Já passei pelas diversas fases da doença: a fase da negação, de não assumir que estava doente, de pensar que tudo o que fiz foi porque quis e não por estar ruim psiquicamente.
Afinal isso é muito mais fácil, pois levar o rótulo de bipolar não é lá muito fácil, concordam comigo?
O interessante quando trazemos o rótulo de bipolares, tudo em nós entra em descrédito. Tipo assim: ela pensa assim por ser doente. Ela fala essas coisas, mas é tudo da cabeça dela, ela não bate bem... E assim vai.
Esse é o problema que o bipolar enfrenta. Há uma discriminação quanto ao que ele faz ou pensa. Não entendem que o bipolar somente está doente em sua afetividade, mas as outras coisas em nós são perfeitamente normais. Normalmente somos pessoas extremamente inteligentes. Temos um potencial artístico fora do comum. Mas isso não é levado em conta. O número de bipolares aumentou muito durante esses anos, parece-me ser próprio do século onde a tecnologia domina. A tecnologia desenvolve nosso cérebro e nossa inteligência muito rapidamente e daí a doença pode vir à tona com mais facilidade, já que é muito própria dos inteligentes, isso é comum. Mas sei também que doença psíquica não leva em conta: sexo, idade, cor, classe social... E por aí vai.
Mas as várias pessoas que encontro com bipolaridade são interessantíssimas e inteligentíssimas. Portanto falo do que vejo e experimento.
Abraço. Lourdes Dias.