sábado, 31 de outubro de 2009

TIRE AS SANDÁLIAS... Êxodo 3:5


“Tire as sandálias de seus pés, pois este solo é santo.”
Achei muito lindo quando minha prima Duca, me deixou essa palavra como ensinamento.
Quando descobri que podia rezar pelas pessoas e que coisas lindas aconteciam através da oração, danei a rezar pelos outros a torto e a direito. Não importava onde estava ou como eu estava, nem como a pessoa estava. Estava tão empolgada com o poder de cura da oração não somente curas físicas, mas espirituais, curas que Jesus realizava através da imposição de minhas mãos, daí fiz isso e assim. Então minha prima, que já é antiga na arte de rezar, pois rezar é uma arte maravilhosa, é um dom precioso que Deus nos concedeu e que se usarmos para o bem dá grandes frutos de santidade pessoal e comunitária. Ela me ensinou assim, apesar de termos a mesma idade, mas Duca é muito mais sábia que eu.
Disse que quando eu fosse rezar para quem quer que fosse, tomasse consciência do poder que estaria sendo me concedido nesta hora. Que pedisse ao Espírito Santo de Deus que me iluminasse para que Ele fizesse a obra sem que a mesma ferisse a alma da pessoa pela qual eu rezava.
Disse que nossa alma e espírito é algo muito santo, um lugar santo, ao qual não deveríamos ENTRAR DE QUALQUER JEITO. O que é entrar de qualquer jeito? Entrar nos sentimentos, partilhar da vida das pessoas e de suas coisas, coisas d’alma, sem ter o devido respeito que esse gesto merece.
Quando colocam seus sentimentos, ou eles são expostos através da oração, temos que ter muito AMOR e um grande zelo, para que depois de tudo revelado, não falemos de coisas humanas e não espirituais. Falemos humanamente e não divinamente. Falemos de coisas que temos guardadas em nós, frutos de nossas experiências, às vezes amargas e assim ao invés de sermos instrumentos de cura e libertação, façamos justamente o contrário disso.
Tire as sandálias... TIRE AS SANDÁLIAS DO PRECONCEITO.
Tire as sandálias... ESVAZIE SEU CORAÇÃO. DESNUDE SEU CORAÇÃO. TIRE AS SANDÁLIAS DO DESAMOR.
Tire as sandálias... ESVAZIE SUA MENTE, E FALE SOMENTE AQUILO QUE DEUS FALARIA A PESSOA E NÃO O QUE VOCÊ FALARIA A PARTIR DE SUAS EXPERIÊNCIAS NEGATIVAS.
Tire as sandálias... LIVRE-SE DE TUDO... LIBERTE-SE... SAIA DE SI E ENTRE NA REALIDADE DO OUTRO.
Tire as sandálias... DEIXE DE VER A VIDA DO OUTRO COM SEUS OLHOS E SE COLOQUE NO LUGAR DELE. VEJA-O COM OLHOS DIVINOS.
Tire as sandálias... TIRE A SANDÁLIA DA JUSTIÇA HUMANA E ENCHA-SE DE MISERICÓRDIA E COMPAIXÃO.
Ande livremente e de pés descalços para que não machuques a alma da pessoa que está ali para ser ajudada.
Tirar todas essas sandálias! Entre junto com o Espírito Santo e faça milagres na alma e no espírito dessa pessoa sofrida. Tudo em nome do Amado Jesus.
Falar? É fácil. Difícil é fazer isso.
Mas tentar podemos e devemos, né mesmo?
Abraço fraterno. Lourdes Dias.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

ENTREMEIOS... PALAVRAS DE UM VENTRE QUASE LIVRE.


Entremeios. Entre extremos. Entre e sente.
Entremeios... Entre os meios. Entre o início e o fim. Entre.
Entre tantos e tantas... Entretanto...
Entregando a entrega do entregador. Entregando a dor.
Que coisa... Entre sente, fique a vontade.
Entre sem bater. Entre batendo.
Entrevendo os fatos. Entre que vendo fatos.
Entrevista. Entre uma vista e outra. Uma olhada e outra. Entre as vistas?
Entregue a quem?
Entranhas. Estranhas. Estranhas entranhas. Rsrrs...
Entre tantas coisas existe o entre.
Entretermos? Entre os termos? Entreter e o não ter. Como é que é isso?
Entrecortados. Entre os cortados. Entre os inteiros e cortados. Entre os cortados ao meio. Entre meios.
Entrevados. Treva entre os dos. Travados. Entravados. Trava entre...
Entrei... Entrava... Entrando... Entro e ando.
Entre e seja bem vindo! Pois a casa é sua.

Não sei... De repente me deu uma vontade de escrever coisas sem sentidos para mim e para você. Se você tentar descobrir algum sentido nisso, melhor desistir. Aqui somente coloquei palavras ao vento... Palavras do ventre. Rsrsrs... Que espero um dia ser livre. Palavras de um ventre quase livre.
Abraço. Lourdes Dias.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

CUIDANDO DOS FILHOTES DOS OUTROS


Tínhamos uma cachorra em casa que era muito especial, o nome dela era veroca, raça tombe late... ou seja, tomba lata, vira-lata purinha, ou mais chique, sem raça definida. Veroca era muito amorosa, e um dia as crianças ganharam um pintinho do Colégio São Joaquim. Esse pintinho passou a ser nosso animal de estimação, todo cuidado era pouco com ele, chamava-se jessé, desculpe ter colocado nome de gente em bicho, acho isso chato, mas isso é coisa de criança, amavam esse nome, daí colocá-lo no pintinho. Rsrsrsrsrs.
Não é que não fomos somente nós que ficamos encantados com o jessé, pois veroca decidiu assumir o jessé como seu. Deixava o jessé andar em suas costas, bicava e ela nem ligava, ajudou-nos a cuidar e a criar o jessé, que se tornou uma galinha velha. Daí que descobrimos que o pintinho jessé, era a galinha jessé. Grande confusão essa. Rsrsrsr...
Mas não foi só do jessé que veroca cuidou nãoooo... Ela ajudou a criar um filhote de gato. O gatinho ficava com ela junto com seus filhotes e ela nem se importava. Eu sei que ela confundia o filhotinho de gato com os seus, talvez por eles terem o mesmo cheiro. Mas ela poderia ter rejeitado o gato. Afinal cão e gato nunca se deram muito bem, né mesmo? Coisa maravilhosa era a veroca. Morreu de velhice.
Aprender com os animais é uma delícia. Aprender a cuidar não somente dos nossos, mas de quem mais vier e precisar de cuidados. Se até os animais fazem isso e assim. Como nós não faremos isso.
Estamos perdendo para os animais tidos como irracionais.
Cada vez entendo menos o ser humano. Os animais nos dão aula de como ser gente, parece-me isso. Gente ensinando-nos a como sermos animais e animais ensinando-nos a sermos gente.
Inversão total de valores.
Abraço. Lourdes Dias.

ATÉ MESMO OS ANIMAIS IRRACIONAIS CUIDAM DE SUAS CRIAS.


Não é possível que nós estejamos perdendo para os animais irracionais e matando nossos filhos. Até mesmo os animais cuidam dos seus e têm alguns que dão sua própria vida para que seus filhotes sobrevivam. Por que nós queremos ser diferentes e neste caso a meu ver, piores e inferiores aos animais?
Isso de abortar, dizendo que ali não tem nada. Mesmo se fosse assim, o que não é verdade, pois uma vida está começando ali, mesmo assim, se no começo fossemos ocos, isso não nos dá o direito de tirá-la. Nossa vida começou assim.
Tem pessoas que defendem a família pequena pela dificuldade em criar, formar e educar, se fosse assim eu não existiria, pois sendo de família muito pobre, meus pais tiveram a dignidade de me dar a vida. Embora eu tenha minhas dificuldades em relação à afetividade e a vida, mas penso que se meus pais tivessem a cabeça dos pais de hoje, eu não existiria literalmente falando.
Em casa entre mortos e vivos, seríamos quinze filhos, contando comigo. Sou uma das últimas, sei lá se nona ou décima..., mas sou a dos finalmente. Minha mãe somente deixou de gerar e conceber quando a natureza já não lhe permitiu mais, mas somente assim.
E a verdade é que gemendo ou chorando neste vale de lágrimas, mas nós estamos aqui.
Nada justifica um aborto, um assassinato. O assassinato não é justificado nem para fetos, nenês, adolescentes, jovens ou adultos. Nada justifica o tirar a vida de quem quer que seja.
E olha que sou bipolar e você sabe da nossa dificuldade em conviver com a vida e com as pessoas. A convivência e viver para nós é uma tarefa árdua, então teria todos os motivos do mundo para ser favorável pela morte e assassinato, mas não sou. Todos nós temos o DIREITO à vida.
Ser pior que animais irracionais é o cumulo do absurdo. Às vezes tantos animais tão indefesos e tão preocupados com suas crias. Às vezes tantas mulheres com todas as qualidades e possibilidades para assumirem seus filhos e não quererem fazer isso. Isso pra mim é o fim da picada.
Abraço. Lourdes Dias.

ARIDEZ


Aridez espiritual, o que vem a ser isso?
Primeiro: Lembra-se de Jesus na cruz quando disse: Pai, por que me abandonaste? Isso é aridez: sensação de completo abandono seja no campo físico, psíquico ou espiritual. Se Jesus experimentou isso, por que não nós?
Segundo: Tinha uma santinha que dizia que às vezes sua aridez era tamanha, que recebia Jesus na Eucaristia e mesmo sabendo de Sua presença, não sentia nada. Nada de emoção e nem fé. Mas não deixava de ir às missas e comungar mesmo sentindo-se assim, pois quem disse que Jesus na Eucaristia é embasado somente no sentir? Ele está lá e pronto. Quer sintamos isso ou não.
Terceiro: É um processo que alguns santos experimentaram, acredito que nem todos. Penso que tem santinhos que sempre têm a beleza de sentir a presença de Deus o tempo todo, apoiando-o e segurando-o, nas horas mais difíceis de sua vida. Mas cada um experimenta Deus de uma forma pessoal. Pois cada um é cada um, e Deus tem esse cuidado conosco. Embora sejamos o seu rebanho, mas cada um é cuidado de forma muito especial e particular.
Então quando muitos me questionam do porque estarem passando por isso, a aridez, por estarem sentindo-se abandonados por Deus, dou estas explicações para que eles saibam que alguns de nós passamos por isso também, e que o segredo está na perseverança.
Sempre lembro que não é o servo ou o amigo maior que seu Mestre, Senhor e Amigo, e Ele passou para nos ensinar justamente isso, não somos em nada diferentes dele, somente em relação ao pecado, pois nunca pecou. E disse que aridez não é pecado, pois Jesus não pecou e sofreu isso literalmente. Mas como literalmente? Está na Palavra de Deus não está? Que ele viveu isso e assim? Se está lá... Tenho dito e nada a declarar.
Abraço. Lourdes.

A RELIGIÃO DO FUTURO É A RELIGIÃO DO PASSADO


O mundo gira... gira... dá suas voltas e sempre volta ao começo: às suas origens.
Nestas minhas poucas e pequenas andanças pela net, vejo muito gente falando da religião da Unidade, da religião cheia de místicas, mas gentemmmm... péraí, vocês estão esquecendo primeiro do que Jesus falou? Que sejam Um é o que quero mais? Pois é... Pois é... Pois é... Se Jesus antes de morrer desejou isso e sendo Ele quem é, isso acontecerá mais cedo ou mais tarde, pois Ele viveu isso e assim.
Mas não quero falar do Amado quero falar-lhes de um Santo muito parecido conosco. Cheio de falhas e pecados, mas o Santo da Unidade: SÃO FRANCISCO DE ASSIS.
Vocês conheceram santo mais místico que ele? Vocês conheceram alguém que tinha um conhecimento e experiência com o universo como ele? Alguém que tinha uma intimidade com Deus, com a natureza no sentido pleno e cósmico dela? Um místico de primeira categoria, era esse Francisco da cidade de Assis.
É lógico que esse é o caminho. Alguém que era gente, só isso, mas que viveu todas as experiências que uma pessoa amadurecida em sua fé poderia ter vivido. Nunca vi ninguém tão livre e feliz quanto Francisco.
Então é natural que aquilo que alguns santos já viveram no passado, poderá e deverá ser vivido no presente e no futuro. O ser Um. A unidade é coisa antiga e nova. É coisa que somente alguns ainda tentam não ver. Somente os cegos espirituais não conseguem ver aquilo que está diante de seus olhos.
Religião do passado... Religião do futuro... A religião sempre conseguirá nos levar a algum lugar sublime se tivermos convicção daquilo que queremos. O viver o que pregamos é o grande segredo.
Se estiver falando alguma bobagem, corrijam-me, mas contra fatos não existe nenhum argumento e Francisco existiu, tenham plena certeza disso.
Abraço. Lourdes.

GRAFITE


Quando eu dava catequese, tinha um menino muito especial. Ele desenhava de uma maneira esplêndida. Eu observei que sempre fazia suas coisas a lápis e quase não enxergávamos o que escrevia. Nada de cores em seu caderno. Tudo em preto e branco. Acho que ele via sua vida desse jeito.
Fiquei a observá-lo durante o tempo que ficamos juntos e cheguei à seguinte conclusão.
Sempre pedia a ele que escrevesse a caneta, já que ele tinha sérios problemas visuais. Mas ele recusava-se sempre. Então não insisti.
Mas a conclusão que cheguei é que ele era um menino inseguro. Parecia com o seu caderno escrito à grafite, que com o simples uso de uma borracha poderíamos apagá-lo de nossas vidas.
Pensei comigo: Será que o Renê se sente assim? Como alguém tão frágil?
Fui conversar com seus pais. Falei que percebia nele a genialidade e a habilidade em desenhar, pois ele desenhava castelos com todos os detalhes. Sua memória era fantástica, não esquecia nem o menor detalhe. Belo isso! Falei para os seus pais que de uma coisa eles deveriam ter certeza, seu filho era gênio e que se não usassem sua genialidade para que se desenvolvesse para o bem, com certeza o mal iria aproveitar-se disso. Deixei isso bem claro.
Parece-me que hoje o René tornou-se um jovem aparentemente normal. Tentei trabalhar bem o lado de suas inseguranças, e procurei tratá-lo como aquilo que era: somente uma criança. Deixei que se soltasse o máximo possível. Reforcei a fé que ele já tinha em Deus. E René sobreviveu às suas inseguranças.
Será que quem escreve com grafite ou gosta desse tipo de material, é essa pessoa insegura que vi em René?
Gostoso observar as pessoas e quando descobrirmos suas fragilidades, tentar ajudá-los de alguma forma.
Abraço. Lourdes.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

HISTÓRIAS QUE CURAM


Livro de Rachel Naomi Remen, Histórias que curam/Conversas sábias ao pé do fogão.
Tem muitas coisas interessantes neste livro, mas o que gostei mais foi que ela nos conta que o que na maioria das vezes o que nos faz buscar no divã do analista a resolução ou uma luz para nossos problemas, é que deixamos de fazer isso em família. Cada vez mais sentamos menos à mesa para podermos lavar a roupa suja, já que essa deveria mesmo ser lavada em casa e não fora. Mas como a modernidade nos faz ficarmos mais tempo na frente da tv e da net do que conversando com os nossos familiares, daí a grande dificuldade. Nunca colocamos nossas conversas em dia e diálogo ainda é algo fundamental para a sobrevivência seja de quem for.
Mas além desse fato dela ter presenciado que a falta de diálogo em família é causa de muitas doenças psíquicas e físicas, ela colocou o nome de uma doença que nunca tinha ouvido falar: SÍNDROME DA FADIGA CRÔNICA.
Conhece? Sabe que às vezes sinto que tenho isso? Por que não são poucas às vezes em que sinto-me tremendamente fatigada sem fazer grandes esforços ou grandes coisas. Exemplos: o fato de ficar na frente do computador escrevendo, já me fadiga. Quando acordo, inúmeras vezes acordo já muito cansada, como se já tivesse feito muitas e grandes coisas. O simples fato de varrer a casa, já é uma coisa fora de série, para mim. O que as pessoas às vezes chamam de preguiça, ou aquela é uma sangue suga, ou aquele é um chupim, pode ser somente isso, essa fadiga crônica.
Não sei se tenho essa síndrome, mas que tenho um cansaço muito grande, mesmo estando fazendo coisas que me dão imenso prazer, isso eu tenho. E se fosse somente com coisas que não gosto de fazer, já teríamos aí uma explicação, mas não é assim. Mesmo quando estou em lugares e com pessoas que me dão prazer em conviver, sinto esse cansaço e logo quero deitar e ficar em casa.
Fico uma grande parte de minha vida na cama. Faço alguma coisa e corro pra ela. A cama me olha sempre como esperando por ela e sendo sempre muito bem vinda.
Não sei se me acostumei a isso, ou se realmente meu metabolismo pede por esse tipo de vida.
Mas levo minha vida assim, sempre muito cansada. Mas não sei ainda como mudar isso. Faço o que posso e como posso. E é isso aí, e assim.
Se você se sente sempre assim, e sua família pensa que você é vagabundo ou coisa do gênero, analise-se e bola pra frente. Nada de desânimo. Embora pra nós as coisas nos pareçam mais difíceis, mas lutar faz parte, né mesmo?
E nesse livro histórias que curam, tem cada testemunho de vida M A R A V I L H O S O ! Essa mulher, de verdade é alguém fantástico. Uma alma belíssima.
Abraço. Lourdes.

sábado, 24 de outubro de 2009

POVO + GOVERNO = PROSPERIDADE


Governo do povo, para o povo e pelo povo.
Primeiro: Toda autoridade vem de Deus, segundo Jesus diante de Pôncio Pilatos. Então respeito é bom e eu gosto.
Segundo: Cada um em seu quadrado: o que veio para legislar, executar e julgar faça seu papel bem, isto com referência às autoridades. E quanto ao povo? Faça com que a Lei seja cumprida, cobrando das autoridades.
Terceiro: O povo não deve deixar que as autoridades façam a parte que cabe somente a ele cumprir e fazer, e vice-versa. Cada um cumpra sua parte e tudo ficará bem. O povo deve trabalhar honestamente, pagar seus impostos, desde que sejam justos e as autoridades devem cuidar para que o dinheiro dos impostos seja bem investido para o bem comum, e não para o seu próprio bem e bolso.
Quarto: As autoridades, aqui no Brasil, são nossos representantes, nossa voz, nossas porta-vozes, digamos assim, honestidade deve ser para todos. Aliás, ser honesto é uma obrigação de todo ser humano, não somente daqueles que cuidam de nossos bens e patrimônios. Sempre quando um candidato se diz honesto, morro de rir, pois isso é dever de todos, e se não for honesto, não deve ser eleito, penso eu.
Quinto: Todos somos humanos e passivos de erros, portanto, nada de querer o candidato perfeito, pois esse não existe, somente veja aquele que possui mais qualidades e vote nele.
Sexto: O povo fazendo seu papel direitinho e o governo cumprindo bem o dele, não tem como a comunidade não prosperar.
Penso que isso é equilíbrio e ser equilibrado.
Abraço. Lourdes.

MÚSICA SACRA OU SECULAR?


Todas elas são boas se cantam o amor, mesmo o amor eros. Penso sempre no livro cântico dos cânticos, acho que esse livro santo explicita todo amor homem e mulher de uma maneira muito bela e pura.
Tem músicas seculares que são sensualidade pura, mas não com a pureza que devemos viver nossa sexualidade, mas uma sensualidade promíscua, digamos assim, essa é ruim.
Não é disso que quero falar. Quero falar da música secular que prega e fala do amor sem ser aquilo de vulgar ou promíscuo ou malicioso, mas simplesmente o amor belo entre um homem e uma mulher. A beleza desse amor e que se for vivido romanticamente e puramente é a coisa mais bela que pode existir.
Música que fala de sexo e de sexualidade sem levar em conta o amor, o sensível, é música que faz de todos nós objetos, e simples objetos de prazer para o outro, nada mais que isso. Faz de nós seres totalmente descartáveis.
Mas a música romântica, essa sim, faz de nós seres amantes que somos. Amantes do belo. Amantes da boa música. Penso que nada de radicalizar achando que só a música que fala em Deus é de Deus, nada disso. Deus é amor e quem canta o amor eros ou ágape, canta o Deus Amor. Toda arte sacra ou não, se for para o bem, como o cântico dos cânticos, faz bem ao coração da gente e a nossa alma.
Viva a arte! Viva a música! Viva quem vive assim!
Abraço. Lourdes Dias.

APRENDENDO COM A NATUREZA


Observando a árvore do quintal do vizinho, já que não tenho nenhuma aqui em casa, notei várias coisas. Tentei traçar paralelos entre a árvore e nós.
Primeiro: ela é totalmente natural e selvagem, não precisa de podas para dar frutos.
Segundo: Ela está sempre verde e bem bonita, seja lá que tempo for: primavera, verão, outono ou inverno.
Terceiro: Dá frutos o ano todo, não somente no outono.
Quarto: A ave que gosta mais dos frutos dela são os bem-te-vis, que, aliás, são meus pássaros prediletos. Amo os bem-te-vis.
Conclusão?
Minha prima Duca diz sempre que eu sou uma mulher muito mimada pelos meus e por Deus. Sempre se questiona porque a vida lhe reserva tantas podas e a mim, pequenas. Não que as minhas pequenas podas não doam... Doem e muito em mim, mas em comparação com o que a maioria da humanidade e principalmente essa minha prima amiga, sofre e passa, as minhas podas são café xicrinha, ou fichinha, como costumam dizer, perto das dela.
Mas estive pensando... Tem árvores que precisam de muitas e grandes podas para que os frutos sejam saudáveis e mais saborosos, como a parreira, um dia cortei uma até ficar somente o tronco, e não é que as uvas nasceram mais viçosas e gostosas? Pois é... Tem árvore que precisa disso. Mas por que será que a árvore de meu vizinho dá os frutos saborosos sem precisar das tais podas? Alguém cuida dela e não é o vizinho, pois a casa está desocupada. Cuidado natural.
Penso que nem sempre o sofrimento faz parte da vida de todos, ou os grandes sofrimentos. Às vezes e na maioria das vezes somos nós é quem procuramos o sofrimento e dizemos que temos que passar por aquilo.
Exemplo: se como, bebo, ou faço tudo em excesso e daí adoeço, a culpa é de quem por eu estar nesta situação, é de Deus? É da vida? É para nossa santificação? Não. Pois se isto fui eu quem busquei conscientemente ou não, então o jogar a culpa em quem quer que seja, está errado.
Não é verdade que muitas vezes adoecemos por fazer extravagâncias? Por não respeitarmos os limites de nosso corpo? Analise bem se não é assim.
Tem casos e casos. Tem pessoas que nascem com predisposição a determinadas doenças e já as possuem de nascença, não estou falando disso. E na verdade as pessoas que nascem doentes não tem culpa nenhuma. É geneticamente propensa a isso e ela não tem nada a ver com tudo o que sofre, daí sim a conversa é bem outra... Mas somente assim. Do contrário a doença e a dor, as podas, são sempre conseqüências de nossos maus atos.
Agressões que fazemos a nós mesmos e aos outros. Daí a repercussão vem com toda certeza.
Mas tem árvores que são como a de meu vizinho, lindas, saudáveis, originais e sem nenhuma poda Por que alguns de nós não podemos ser assim como essa árvore? Claro que podemos. E não significa que não cresceremos, amadureceremos e daremos lindos e belos frutos. Nem tudo precisa ser poda e nem todos precisamos ser podados.
Podas existem, pequenas e grandes dificuldades existem, mas se Deus quiser poupar alguns ou a vida quiser fazer isso, por que não? E por que não eu?
Ou por que não nós? Rsrsrsrsrs...
Abraço. Lourdes.

UNÇÃO


A meu ver, um dos significados de unção: é quando o que você faz ou pensa, surte um efeito positivo sobre o outro. Uma pessoa ungida é capaz de realizar curas, milagres, conversão do mau para que ele seja bom. A unção é um carisma que atrai as pessoas, mas não para si, como os astros e estrelas de cinema ou artistas, mas atrai para Deus.
Esse carisma pode ser nato ou adquirido, tanto que sempre quando estamos reunidos e unidos em nome de Deus, pedimos a Unção do Espírito Santo, para que possamos realizar coisas boas para o irmão.
Martin Valverde nos dá um testemunho assim:
“Em sua banda tinha um “bençoado” jovem que sempre faltava aos ensaios, sempre chegava atrasado aos compromissos, ou seja, ele não era responsável, seja lá o motivo por não ser. Daí aqueles que eram responsáveis e nunca faltavam a nenhum compromisso pediram ao Martin que dispensasse o jovem, já que ele era muito irresponsável.
Martin passou a observar o menino, e percebeu que justamente aquele que a banda não queria que trabalhasse com eles, era o que possuía o carisma, a unção, a capacidade de atrair as pessoas para Deus, com seu ministério.
Interessante, como vemos as aparências e Deus vê somente o coração. Se aquele jovem possuia um talento, dom ou carisma nato não foi falado por Martin, mas sabe aquilo que vemos nos desenhos animados? Eu tenho a força? Eu tenho o dom? Eu tenho o presente que Deus me concedeu? Pois é... Aquele jovem possuía isso e assim.
Mas onde quero chegar com tudo isso? Que mesmo com e apesar de nossos defeitos, já que todo ser humano tem todos os defeitos... Ou temos alguns defeitos... Ou todos temos um defeito, então nada de julgar e separar de seu grupo alguém que a seus olhos pode ter um defeito imperdoável, mas totalmente aceito e perdoável para Deus. Nem sempre os certinhos ou responsáveis possuem o dom, já que isto é um presente de Deus, que dá a quem quer.
Quando percebo que a pessoa é esforçada para usar seus dons e talentos para o reino, mas lhe falta a unção, o carisma de atrair, peço ao Senhor que por causa do esforço por trabalhar, do gosto em trabalhar para o reino, mas sem nenhum carisma, que o Espírito Santo encha aquele ser de seu carisma, para que possa exercer melhor seu ministério.
Entendido tudo certinho?
Abraço. Lourdes Dias.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

“SÔ LOCO, MAS NÃO SÔ BURRO!”


Contavam meus pais, essa estórinha:
Um homem perdeu um pneu de seu carro bem perto de um hospício. E o homem coçava a cabeça pra saber como resolveria aquele caso, já que não tinha ninguém pra ajudá-lo, a não ser um doente que estava no sanatório, atrás das grades talvez, e vendo tudo o que estava acontecendo.
Vendo a dificuldade do tal homem o louco resolveu ajudá-lo e disse assim: “Por que é que você não tira uma porca de cada pneu, já que você tem o estepe, e assim todos os pneus ficarão com três parafusos rosqueados e você conseguirá chegar à cidade mais próxima para consertar tudo direitinho.”.
O homem disse: “Como é que não pensei nisso antes? Muito inteligente de sua parte, vou fazer isso sim. Muito obrigado.”
E continuou falando: “Mas se você é louco, como sabe dessas coisas?”.
O doente gritou imediatamente de onde estava: “SÔ LOCO, MAS NÃO SÔ BURRO!” Rsrsrsrsrs...
Pois é... Pois é... Pois é... Nunca devemos menosprezar ninguém, nem mesmo um tido como doente mental, pois muitas vezes são mais inteligentes que nós.
Vivendo e aprendendo sempre com meus pais, afinal o melhor lugar ou a melhor escola deveria ser nossas casas, né mesmo?
Adoro esses “causos” contados pelo povo simples. Ouço isso a vida toda por isso aprendo. Aprendo com os simples sábios da vida.
Abraço. Lourdes.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

A PUREZA DA MULHER


O jeans de cintura baixa, as camisetinhas que deixam aparecer o umbigo, os “tops” apertados. Com certeza, a gente gostava do sentimento de estar sendo “desejadas” pelos rapazes. Mas depois a gente ficava aborrecida quando eles só estavam interessados em uma coisa. A gente reclamava, mas não queria fazer nada para ajudar a consertar o problema. Afinal de contas, nossas roupas não estavam ajudando os rapazes a melhorar. A gente continuava oferecendo tudo que eles queriam…

As mulheres têm poder. Pela maneira com que nos vestimos, pela maneira com que dançamos, e pela maneira com que nos comportamos, podemos convidar um homem a ser um cavalheiro ou a agir como um animal. Portanto, se uma garota quer que um rapaz a admire pela sua inteligência e pela sua personalidade, não seria melhor que ela não o distraísse com aquele piercing no umbigo?

A questão é: “O que eu realmente quero? O que é mais excitante, ser verdadeiramente amada por um só homem, ou ser “desejada” por muitos? Para quem tem a coragem suficiente de preferir ser amada por um só, a modéstia é um convite silencioso para que os rapazes sejam homens o suficiente para conquistar nossos corações. É um convite aos rapazes, para que vejam que há muito mais em nós que somente nossos corpos. É por isso que a modéstia é chamada a “guardiã do amor”. Sem ter que dizer uma só palavra, ela estabelece o padrão do respeito. Mas nós nunca conseguiremos convencer um homem de nossa dignidade sem antes convercermos a nós mesmas.

A modéstia nao diz respeito somente ao exterior, porque a maneira com que nos vestimos é um sinal do nosso interior. É um sinal de que não precisamos ficar nos “atirando” visualmente para os rapazes, na esperança de ganhar sua atenção. Tenha certeza que nós temos o poder de fazer as cabeças se voltarem para nós. Mas também temos o poder de fazer os corações se voltarem para nós. Podemos procurar conduzir esses corações para o paraíso ou para nós mesmas. Mas quando fazemos a atenção deles se voltar para as partes do nosso corpo, estamos convidando-os a nos “amar” pelas coisas erradas.

O que ganha o que coração dele é o que vai mantê-lo por perto. Se ele foi ganho por um corpo, vai ser pelo corpo que ele vai ficar (pelo menos enquanto não enjoar ou perder o respeito).

Precisamos redescobrir o que as mulheres já descobriram há milhares de anos: há uma atração mais profundo pelo que não é visto. Simplificando, pureza é beleza. Ela coroa a beleza natural com o mistério. Mesmo após o casamento, a pureza e a modéstia permanecem com seu poder de cativar o coração de um homem – apenas adquire um novo significado.

Provérbios 5, 17-19 diz: “Sejam eles para ti só, sem que os estranhos neles tomem parte. Seja bendita a tua fonte! Regozija-te com a mulher de tua juventude, corça de amor, serva encantadora. Que sejas sempre embriagado com seus encantos e que seus amores te embriaguem sem cessar!”

Quando a passagem diz que o amor da mulher “embriaga” o marido, a palavra no original em hebraico também pode significar “intoxica”. Deus sabe o poder dos carinhos de uma mulher, e mesmo a visão de seu corpo leva a um mistério maior quando “não é para estranhos”.
Trecho do livro “Pure Womanhood” (Pura Feminilidade) de Crystalina Evert, San Diego, Ed. Catholic Answers, 2008.
Quando alguém fala tudo o que gostaríamos de falar, mas que nos falta coragem. Que bom que tem alguma voz que ainda fale por nós.
Abraço. Lourdes Dias.

QUANDO A MÚSICA FALA POR NÓS...


Monte Castelo: Renato Russo

Ainda que eu falasse a língua dos homens.
E falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria.

É só o amor, é só o amor.
Que conhece o que é verdade.
O amor é bom, não quer o mal.
Não sente inveja ou se envaidece.

O amor é o fogo que arde sem se ver.
É ferida que dói e não se sente.
É um contentamento descontente.
É dor que desatina sem doer.

Ainda que eu falasse a língua dos homens.
E falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria.

É um não querer mais que bem querer.
É solitário andar por entre a gente.
É um não contentar-se de contente.
É cuidar que se ganha em se perder.

É um estar-se preso por vontade.
É servir a quem vence, o vencedor;
É um ter com quem nos mata a lealdade.
Tão contrário a si é o mesmo amor.

Estou acordado e todos dormem todos dormem todos dormem.
Agora vejo em parte. Mas então veremos face a face.

É só o amor, é só o amor.
Que conhece o que é verdade.

Ainda que eu falasse a língua dos homens.
E falasse a língua do anjos, sem amor eu nada seria.

Sem palavras...
Abraço. Lourdes.

CUMPRA SUA MISSÃO E SEJA FELIZ


Isso eu vou escrever de uma maneira muito especial aos cristãos católicos, àqueles que como eu acreditam nos sacramentos da reconciliação ou confissão e na Eucaristia.
Pe. Julio Comba, nosso sacerdote aqui dos salesianos, já falecido, nos últimos dias aqui conosco disse assim: “Andei por tantos lugares, fazendo tantas coisas, dando aulas e coisa e tal, mas somente agora encontrei meu lugar, minha missão e vivo-a plenamente e sou e estou muito feliz por isso.”.
Na verdade, ele buscou a vida toda por fazer e cumprir sua missão sacerdotal e pensava que em tudo o que estava fazendo estava ali sua meta e objetivo finais e a plena vontade de Deus sobre ele, mas só depois de idoso, de ter-se gasto de muitas formas, descobriu que ao ouvir a confissão das pessoas, dar-lhes a absolvição dos pecados em nome de Jesus, e ao celebrar a missa, ali estava toda sua vida resumida, e ali estava aquilo que faria dele uma pessoa realizada, feliz e fazendo literalmente aquilo que Deus queria que ele fizesse. Pena ter descoberto isso somente alguns anos antes de morrer, pois teria sido muito mais feliz se simplesmente tivesse feito o que Deus queria que fizesse. Mas precisou amadurecer muito, e ficar impossibilitado de realizar os outros afazeres para ficar com o essencial.
Sempre digo que tudo o mais um leigo pode fazer dentro de nossa Igreja e fazer muito melhor até que alguns sacerdotes, menos perdoar os pecados em nome de Jesus e celebrar a missa, isso nós não podemos fazer e quando o sacerdote não se entrega radicalmente a essa missão, alguém sai em prejuízo, e no caso somos sempre nós as ovelhas. Ovelhas sem pastor.
Edith Stein também descobriu isso e assim, depois de muitos estudos e estar com filósofos famosos e aprender muito com eles, descobriu que sua missão maior estava numa vida simples, rotineira e chata aos olhos dela, até então. Mas ali ela descobriu a paz. E não andando de cá pra lá e de lá pra cá... Maturidade espiritual, penso eu.
Aprender com quem sabe das coisas é sinal de sabedoria e muita inteligência, mas parece-me que está difícil aos nossos sacerdotes e freiras abrirem os olhos para essas coisas. Parece-me algo impossível mesmo, às vezes.
Mas os testemunhos estão aí. Testemunhos de quem experenciou e se deu bem e ficou plenamente feliz e realizado. Palavras de Pe. Julio Comba e não minhas.
Esses sacramentos somente os sacerdotes podem realizar e se não o fizerem e fizerem bem, além de não se realizarem em sua missão, ainda deixarão de estarem fazendo plenamente a vontade de Deus a seu respeito.
Abraço. Lourdes.

O COBERTOR E A GAMELA DO VOVO


Conheci uma estória mais ou menos assim:
“Havia uma família muito simples, que tinha um vovô, que já estava bem velhinho, e o filho levava a comida para ele numa gamela, junto com um pedaço de cobertor para que o mesmo se aquecesse, num lugar fora da casa. O netinho vendo isto, disse para o pai: Para quem são a gamela e o pedaço de cobertor? O pai disse: são para seu avô.”.
No outro dia estava o menino guardando uma gamela e um pedaço de cobertor, e daí foi a vez do pai fazer a pergunta: “Para quem você está guardando isto ou para que”? O menino, muito esperto, disse: “Para você quando estiver velhinho como o vovô.”
Não pensem que a gente terá o respeito e o reconhecimento seja lá de quem for se não tivermos esse respeito principalmente pelos mais velhos ou idosos.
Farão conosco do jeitinho que fazemos com os outros. Então melhor cuidar e respeitar, né mesmo?
Abraço. Lourdes.

SÓ QUERO QUE MORRAM OU VIVAM COM DIGNIDADE


Palavras de Madre Teresa de Calcutá, quando algumas pessoas que professavam a fé diferente da nossa, que é o cristianismo, e lhe perguntaram: “Você quer vir aqui pegar nosso antigo templo para culto aos nossos deuses, para tentar nos converter à sua religião? Se você quiser fazer isso, nós a mataremos.”.
E essa foi sua resposta: “Não quero converter nada e nem ninguém à minha religião, quero somente tentar dar dignidade a essas pessoas que estão doentes ou morrendo, para serem tratadas com a dignidade que merecem. Pelo menos se morrerem, que morram assim, dignos.” Foi assim que ela arrumou um abrigo para os que estavam doentes e agonizando, e cuidou deles com todo amor e carinho. Olha que mulher maravilhosa!
É digna de ser invejada e seguida não é mesmo? Alguém que deixou o convento e tudo o que poderia ter de conforto lá, para cuidar de quem nada tem. Para tentar pelo menos dar um pouco de dignidade a quem não a tem, porque lhe foi tirada.
Isso é ser cristão ou cristã. E ela com certeza converteu sim, muitos ao cristianismo, por essa sua postura humana. Um ser tão humano quanto Jesus o é. Não veio para pregar, não veio para julgar e muito menos criticar, mas viver somente aquilo que ela acreditava como certo. Viveu conforme suas convicções.
Linda mulher! Linda alma! E muito abençoada também. Mulher destemida, pois na verdade não temeu por sua vida ameaçada, mas somente quis fazer a vontade de Deus sobre ela, pelo menos aquilo que ela acreditava como sendo isso.
Digna de respeito e ser seguida também.
Abraço. Lourdes.

SANTO? TALVEZ... PE. HUGO GRECCO


Vou dar algumas pinceladas somente, pois convivi pouco com esse ser humano admirável. Que pena! Ele sempre vinha até minha casa para fazer a entronização do Sagrado Coração de Jesus e Imaculado Coração de Maria, e muito nos alegrava com suas visitas.
Pe. Hugo era alguém preocupado com os paupérrimos, pois pobres ultimamente quase todos somos, mas paupérrimos, os marginalizados, eram esses que ele mais amava.
Era místico. Contavam que o viram uma vez receber um botão de rosa, e o mesmo estava suspenso no ar. Achavam isso interessante por demais. Quem estava segurando o tal botão? Sei lá, mas que viram isso, viram.
Outras vezes, viram-no levitar enquanto dormia. Um pequeno detalhe: quanto a seu colchão ele fazia questão que fosse bem duro e ruim para dormir, pois se seus pobres nem tinham onde dormir, como ele se daria ao luxo de ter algum conforto?
Ele foi visitar uma doente e a mesma não podia sair da cama, contam que ele não conhecia nem a doente, muito menos sua casa, e mesmo assim disse para a pessoa que estava com ele: Entre lá, pegue a chave que está pendurada em tal lugar e abra a porta. Pule pela janela, pois uma alma precisa ser salva. Tinha ido levar a unção dos enfermos. Como é que ele sabia direitinho onde estava a chave sem conhecer a casa? Sei lá, mas dizem que tudo aconteceu assim.
Uma amiga em comum nossa me contou que lhe passou uma repreensão. Disse a ele: Não vou lhe dar mais nenhuma roupa e nenhuma sandália, já que gostava de usar a sandália tipo franciscana, não lhe dou mais nada, pois se você dá tudo o que lhe compro para os pobres, pra que vou me preocupar com você? E ele não estava nem aí, continuava dando tudo aos pobres. E dizia a essa nossa amiga: Pára com esse negócio de falar por aí que sou santo, pois depois que eu morrer ninguém se lembrará de rezar nem uma Ave-Maria por mim, por acreditarem nessas bobagens. Pára com isso! E não se esqueça de rezar por mim quando eu morrer.
Um amigo em comum me disse que foram levar comida, cestas básicas, a uma casa bem pobrezinha e que lá encontrou uns homens negros e muito fortes, pelo menos aparentemente, e repreendeu o Pe. Dizendo: O senhor não está vendo que esses homens são fortes, e preguiçosos? Bota eles pra trabalhar padre, ao invés de sustentá-los. Pe. Hugo somente lhe respondeu: Ele pediu comida? Sim. Então lhe dê. Só isso. Olha que pessoinha fantástica.
Pe. Hugo: meigo, alegre, descontraído, humilde e ao mesmo tempo recolhido em suas orações. Um homem muitas vezes tímido e de poucas palavras. Fala mansa e delicada, aliás, um artista, tocador de violino como somente ele sabia tocar.
Alma de artista. Amante de Jesus e de seus pobres.
Até hoje nossa sociedade dá cesta básica aos pobres em honra a esse santo Pe. Hugo. E sempre nos é falado assim: Nossa coleta do dia de hoje é para a cesta básica das famílias pobres do Pe. Hugo e de Dona Dalva, colaboradora dele. Ambos já falecidos.
Saudade de Pe. Hugo e peço a ele que interceda por nós, pois com certeza está em ótimo lugar.
Isto é ou não exemplo de vida e vida em santidade?
Abraço. Lourdes.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

RELIGIÃO: O PIO DO POVO E NÃO...


Acabei de ler isso em Lola entrelinhas, achei fabuloso e diz tudo o que penso: “Religião, não é o ópio do povo, mas o PIO do povo.” Essa foi demais!! Rsrsrsrs...
Interessante que tem pessoas que pensam isso mesmo, que a religião é para nos alienarmos da realidade, mas todos os ditos e tidos... Gostei disto... Ditos e tidos.... Tidos e ditos... Rsrsrsrs..., mas os nossos santos de altares, não tem nada de inebriados por ópio, ou seja lá por que droga for. A realidade de nossos santos é uma realidade nua e crua. Eles vivem por servirem aos que nada possuem, seja em relação aos bens materiais ou espirituais, e nada de alienação nãoooo... Arregaçam as mangas e com lágrimas e espinhos ajudam aos que nada tem.
Isso não é ser alienado, etezado, ou seja, lá, o nome que queiram dar a quem segue a risca aquilo que acredita. A religião nos ajuda a sermos civilizados, a olhar para o umbigo do outro, como costumo brincar, nos ajuda a deixarmos de olhar para nosso próprio umbigo, para olharmos para o do outro. Rsrsrs... Rio, porém nunca falei tão sério em toda minha vida.
Quem vive a experiência de uma religião sóbria e consciente, se torna uma pessoa surpreendente, mas veja bem, desde que viva isso. Não somente pregue assim, mas tente dar testemunho fiel de sua vivência.
E na verdade a Religião é o “PIO” de quem não deixam piar. A religião é a voz daqueles que não tem voz. E se sua religião não for isso e assim, então tá tudo errado, penso eu.
Legal: Religião é o pio... Ou o piu... piu... de nós, um povo sem voz e nem vez.
Abração a Lola e a todos. Lourdes Dias

ESCRITOR DESCONHECIDO/ BUDAPESTE


Parece que esse não é meu caso, sofro da tal vaidade. Não quero ser uma anônima, aliás, detesto esse negócio de anonimato, sempre penso assim, não dizer que é você quem disse ou escreveu sobre alguma coisa é coisa parece-me meio de covarde, o fato de não assumir quem se é ou como se pensa sobre coisas que nos dizem respeito, não é sinal de valentia e transparência. Não gosto do anonimato por pensar assim, mas o fazer um bem e uma caridade sem colocar no auto falante é muito bom. Mas não quero ser uma escritora ou blogueira desconhecida, gosto de assinar meu nome nas coisas que escrevo, mesmo que não sejam de minha autoria, mesmo que seja algo que copiei ou complementei, mas o saber que tem meu dedo de curiosa nos escritos, e admito isso, que ali tem uma pitada minha, acho bem legal. Vaidade! Tudo é vaidade!
Mas assistindo a um filme esses dias, lá se falava de uma estátua de um escritor desconhecido que fazia questão de viver assim, nas sombras do anonimato. Homem digno que pensava assim: “Farei o bem, deixarei meu legado para a humanidade, mas sem propagar que fui eu quem fiz.” Interessante o pensar desse jeito. Não me parece o pensar de nenhum covarde, nesse caso pelo menos, mas o pensamento de alguém que quer fazer o bem sem ser reconhecido como tal, como sendo bom. Fazer o bem por fazer e ser bom somente por ser, não pela fama, nem pelo sucesso, nem pelo dinheiro e muito menos pelo reconhecimento, mas simplesmente por ser bom. Legal! E isso não é covardia, mas nobreza de alma. Então como tudo nesta vida tem, como as moedas... Seus dois lados... Retiro o covarde, e digo simplesmente que anonimato pode ser coisa de pessoas boas e sem nenhuma vaidade. Belo isso, não?
Nossas incoerências, em alguns minutos de escrita. Minha culpa... Minha culpa... Minha máxima culpa... Rsrsrsrsrs...
Abraço. Lourdes.

AINDA SOBRE MINHA MÃE... Entre mortos e feridos escaparam todos.


Estivemos com alguns problemas de saúde aqui em casa. Tipo: crises existenciais de um, problemas cardíacos e AVC do outro. Problemas sérios e que corriam até risco de morte por parte de meus dois irmãos. Daí vocês imaginam o coração de minha mãe. Estive conversando com ela sobre isso, disse-lhe que a vida longa é uma benção e uma graça de Deus, sem dúvida nenhuma, mas o fato de vivermos muitos anos nos obriga a termos que conviver com as perdas, inclusive de nossos filhos. Com referência a minha mãe, ela já viu morrerem 10 de seus 15 filhos, sendo 14 filhos naturais e 1 adotivo (adoro escrever números em forma de algarismos... rsrssrsrrs...) Minha mãe sempre sofre com as perdas dos filhos, mesmo que já tenha passado por isto muitas vezes, mas quando algum de nós adoece, acho que ela pensa assim: Poderia ser eu a estar sofrendo ao invés deles... Para que viver tanto e ver aqueles a quem amo morrerem? Mas eu procuro sempre dizer a ela que sua vida é um dom e um presente de Deus para nós, e que conviver com perdas faz parte da realidade de todos e dos idosos principalmente.
Sempre quando conversamos sobre vida e morte, minha mãe fica mais tranqüila e feliz, por saber que a amamos e a queremos junto de nós todo o tempo que o Senhor permitir.
Meus irmãos escaparam com vida das crises, mas são tempos difíceis para todos. Mas como sempre diz minha mãe que é simples, porém, muito sábia: “ENTRE MORTOS E FERIDOS, ESCAPARAM TODOS!” Ela adora falar isso e desse jeito. Rsrsrsrs...
Você conhecem esse velho ditado?
Abraço. Lourdes.

BLOG DENTRO DO BLOG


Pensando nos comentários que são feitos nos blogs, adoro quando o comentário me ajuda a completar o nosso blog. Estive pensando em um depoimento que assisti esses dias na tv, no qual a escritora de peças teatrais, ou livros, dizia assim: “Dou 70% de mim quando escrevo para que os 30% seja completado pelo leitor.” Esse complemento, achei de uma inteligência rara, pois estamos sempre condicionados a dar o nosso 100% e não deixar que ninguém complete nada, mas sendo como essa escritora, o dar somente 70% de nós, o público, a platéia, o blogueiro, ou seja, lá quem estiver conosco, tem a oportunidade de nos complementar, digamos assim. Na verdade sempre quando escrevo tento dar tudo bem mastigadinho, mas não mais farei assim, procurarei deixar sempre uma brecha para que você deixe seus pensamentos e sentimentos expressos em nosso blog. E digo-lhe de passagem, quanto mais você escrever e da forma que quiser fazer isso, me agradará, mesmo que seja para discutir algum ponto de vista não favorável. Isso é muito importante para nosso crescimento enquanto seres humanos, e na verdade para isso é que existem os blogs, para crescermos e multiplicarmos. Interessante ver as coisas por este ângulo e dessa forma.
Respeito quem não quer comentários longos em seus blogs já que somos do tipo, quanto mais simples, pequenas palavras e bem claras, melhor, temos preguiça de ler, né verdade? Coisas que pessoas leitoras de grandes livros nem ligam, outras acham tudo muito difícil e chato, mas esse, literalmente não é o meu caso. Fique à vontade para completar os 30 ou quem sabe até os 50% desse blog.
Obrigada e abraço. Lourdes.

domingo, 18 de outubro de 2009

MINHA TERRA de D. Aquino Correia


MINHA TERRA de D. Aquino Correia

Minha terra é Pindorama
de palmares sempre em flor:
quem os viu e não os ama,
não tem alma nem amor.

Santa Cruz é minha terra,
terra santa cá do sul:
seu pendão a cruz encerra,
tem a cruz no céu azul.

Deus num último batismo
meu país Brasil chamou;
se me abrasa o patriotismo,
brasileiro então eu sou.

Eis os nomes que assinalam
minha terra sempre em flor:
são três nomes que me falam
de beleza, fé e amor.

Pindorama! és meu encanto!
Santa Cruz! és minha fé!
O’ Brasil! Eu te amo tanto,
que por ti morrera até.

Esse hino? Minha mãe cantou a vida inteira para mim. Já o conhecia? Lindo, não? Eu acho.
Abraço. Lourdes Dias

sábado, 17 de outubro de 2009

A POESIA FALA DO QUE O CORAÇÃO ESTÁ CHEIO...


Estive lendo e pensando o do por que de algumas pessoas decidirem-se por poemas feios, que falam de coisas feias e de uma maneira que agride a gente?
Padre Mário Bonatti, nos diz que a vida tem a cor que a gente pinta. Se quisermos pintar a vida mais feia e escura do que já é, assim ela será. Se quisermos dar graça, poesia bela e sutileza de alma, também podemos fazer isso.
Penso do por que enchermos nossa alma de rudeza, de dureza, já que a vida já é tão dura? A vida já tem seus próprios ossos do ofício que nós temos que roer, então por que o mórbido prazer em ler ou ver coisas fúnebres e macabras?
Não faz meu gênero as coisas macabras. Já que tenho essa tendência à depressão, se ficar vendo coisas ruins e maldosas com certeza nunca conseguirei sair desse marasmo.
Mesmo quando procuro ver o belo da vida, os filmes belos e os lindos poemas, ainda assim me é muito difícil ver a vida de forma colorida... Imagine você se eu me decidir pelo macabro, pode ter certeza que minha vida não duraria nadinha. O que sustenta minha vida ainda é o belo. A bela arte, isso é o que me sustenta, e faz com que tenha um pouco de gosto por viver.
Sei que tem pessoas que vivem do macabro e idolatram tal coisa, mas está não é minha praia e espero que nunca venha a ser.
Como já escrevi uma vez, amarga nem mesmo a vida. E o ler sobre a amargura só poderá nos encher dela.
A poesia e tudo o que escrevemos ou falamos é do que nosso coração está cheio, mesmo que nem saibamos disso e muito menos saibamos como expressar, mas essa é a pura verdade.
Vou rezar mais pelas pessoas que tem o coração cheio de amargura e amargor. Pessoas que gostam do mal e do macabro, para que elas descubram que dentro de si mesmas tem um belo e lindo tesouro a ser descoberto. Talvez possamos fazer juntas esse caminho da descoberta e a vida passe a ser colorida. Já que preta e branca ela nos revela quase que diariamente, né mesmo?
Sei que é difícil colorirmos as coisas, mas o tentar não custa. Custa?
Abraço. Lourdes Dias.

COMO SOBREVIVEMOS?


Nós trabalhamos com artigos religiosos. A empresa a qual representamos é a São José Operário Artigos Religiosos, é da família de meu marido. Interessante que quando foi para montarem a empresa não sabiam que nome daria a ela. Como não podia ser diferente vieram me perguntar. Pensei assim: “Se vamos trabalhar com artigos religiosos, nada mais justo do que homenagear a um santo a qual tenho o maior carinho e respeito, São José, esposo de Maria, se no dia do trabalho a Igreja Católica o homenageia, como patrono dos trabalhadores, então seria muito bom tê-lo ao nosso lado. Então disse: Que tal, São José?” Daí completaram só São José não... São José Operário, já que trabalharemos com arte sacra. Então ficou assim: São José Operário.
Foi muito bacana! A escolha foi minuciosa e feita a dedo, nada melhor do que termos como protetor alguém tão raro quanto José, né mesmo? Homem simples, trabalhador, sábio, silencioso e tão humilde. Tenho uma admiração profunda mesmo, por esse santo José.
Temos até uma loja virtual a qual todos trabalhamos nela: filhos e marido. Eu não trabalho, somente dou uma forcinha de vez em quando, quando as coisas estão muito apertadas.
Só para falar um pouco daquilo que fazemos como meio de sobrevivência. A luta é árdua, é um trabalho minucioso, artesanal, simples, honesto e abençoado a meu ver. Todo nosso trabalho é voltado para aquilo que acreditamos ser nossa fé. Fé em Jesus e em nossa Igreja. Diz o Catecismo da Igreja católica que quem trabalha em arte sacra tem o mesmo mérito que todo evangelizador, mesmo o que está à frente e na mídia. Esse é nosso mérito, embora seja um trabalho de formiguinha e muito simples como já disse, abençoado. Dinheiro ganho com muito suor, pois as coisas são sempre muito pequenas: medalhinhas, terços, escapulários, bijuterias, coisa muito pequeninas, mas de muito bom gosto e feitas com todo carinho, já que a finalidade não é somente ganhar nosso pão, mas algo muito além disso. Nossa meta é evangelizar. Evangelizar os batizados.
Abraço. Lourdes Dias.

ORAÇÃO? COMO E POR QUÊ?


Orar é tão somente um diálogo com Deus. Só e tudo isso. O fazer do silêncio sua oração é o maior ato de amor e adoração que podemos fazer a nosso Deus Pai amado.
Se você é do tipo que tem bicho carpinteiro, como diria minha mãe: “VOCÊ PARECE QUE TEM BICHO CARPINTEIRO MENINA. NÃO PÁRA NUNCA!” Isso em relação à minha irmã Fátima e não a mim. Eu sou a do bicho do Jeca Tatu, leu aí? Rsrsrsrs...
Maria nos ensina de maneira maravilhosa como fazer isso, silenciar, mas parece que isso é coisa de beata, ou de quem não tem muito o que fazer, já que o “fazer” parece coisa tão importante, tipo Marta e Maria. Uma fazia... fazia... Outra silenciava e ouvia... Ouvia... A quem foi dada a melhor parte? Advinha? Não a que tinha o tal bicho carpinteiro mas a silenciosa e atenta a vontade do Pai. Essa sim ficou e fica com o melhor, bem... assim diz o Senhor e se Ele disse é porque deve ser verdade, concorda?
Mas tem gente teimosa e cabecinha meio dura, que somente uma dosagem dupla ou tripla do Divino Espírito Santo poderá convencê-la de que a melhor parte é essa. Tem gente que quer ficar com a pior parte, e o que fazer quanto a isso? Nada! Quem morre por seu gosto enterra-se pra seu regalo, diz minha mãe. Nada a fazer quanto a isso, mas avisar eu aviso se vão me ouvir? Sei lá. Nem todos ouvirão. O Espírito Santo é delicado e nem sempre queremos parar para ouvi-Lo.
Parece que se pararmos para silenciar estamos vagabundeando, como diriam alguns. O parar não significa estar sem fazer nada. O parar para ouvir é um bem necessário. Silêncio é uma fonte rica de oração. E nos enriquece de verdade, algo acontece, bem de dentro para fora, quando decidimos rezar assim.
Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito tem a dizer a sua Igreja, que somos todos nós!
Abraço. Lourdes Dias.

PROSOPAGNOSIA? TE CONHEÇO?


Doença cerebral que faz com que você tenha dificuldade em conhecer os outros e a si mesmo.
Refere-se muitas vezes às pessoas que passam na rua pela gente e não nos reconhecem. Muitas vezes isso é atribuído à miopia, e pode ser também, mas pode ser essa tal prosopagnosia. Diz que não tem tratamento.
Fico abestalhada com o número de doenças e coisas esquisitas que estou descobrindo sobre nós seres humanos, e quanta coisa estranha, como essa aí. Já pensou você se olhar no espelho e não se enxergar? Você olhar sua foto e não saber que essa pessoa é você?
Mas o que estou assustada é que estamos descobrindo cada vez mais coisas sobre nós e nosso cérebro, e poucas respostas encontramos do porque que tudo isso acontece conosco. Estamos ficando estranhos e cheio de deformidades em nosso cérebro, mas não estamos sabendo de onde tudo isso vem, por que vem e para onde vamos com tudo isso. Que é bom conhecermos tudo isso para não julgarmos as pessoas, principalmente aquelas que passam por nós e não nos reconhecem isso é bom até certo ponto, para que não façamos diagnósticos e julgamentos errados das pessoas. Mas e a cura, cadê? Se tudo isso tiver um porque e se pudermos evitar que nosso cérebro sofram com essas coisas... Muito bem! Legal! Mas se não tivermos respostas e a cura, parece-me às vezes uma grande bobagem descobrirmos cada vez mais males, e cada vez menos soluções para eles.
Sei que temos que ter paciência, pois nem tudo acontece magicamente, mas paciência tem limite, né mesmo?
Talvez esteja na hora de pararmos de tentar descobrir doenças e lidarmos da melhor maneira possível, aceitando coisas que não poderemos mudar. Cada vez mais fico ciente de que não devemos julgar nada e nem ninguém, pois coisas estranhas e pessoas com elas, encontramos cada dia.
Pessoas que não conseguem reconhecer os outros...
Bipolares: humores instáveis.
Insensibilidade congênita: insensíveis a dor e a seu próprio sofrimento.
Cada vez mais coisas estranhas.
Que conclusão estou chegando? Que somos pessoas realmente estranhas. E cada vez chego mais à essa conclusão: estranhos e diferentes. Rsrsrsrsrs...
Abraço. Lourdes.

UMA VIDA SEM DOR... PODE?


Claro que sim, essa síndrome chama-se insensibilidade congênita: pessoas que podem ser cortadas em pedaços que não sentirão nada. Interessante, porém nada divertido.
Dizem que pessoas que sofrem dessa síndrome, não sentem nenhuma espécie de dor, por isso morrem muito cedo, pois não sabem quando algo de muito ruim está acontecendo com ela, não percebem que estão machucadas, ou com alguma fratura, daí não se cuidam. Podem perder dedos, olhos, língua ou coisas assim. Enquanto crianças, elas podem morder a própria língua e decepá-la e não sentirão nada. Coisa horrível isso! Daí o chegar à conclusão que a dor é benéfica, até no sentido de não nos auto mutilarmos, daí ela serve como algo que nos protege.
Tinha um santo, parece-me que São Lourenço que foi queimado vivo e dizia assim para seus agressores: Vire para o outro lado que esse lado já está bem tostadinho. Será que esse Santo tinha essa tal síndrome? Pois como é que ele não morreu de dor ao ser assado vivo? Só pode ser essa a explicação.
Como nesse mundo existe de tudo, e como o equilíbrio em todas as coisas, inclusive no fato de sentirmos dor é algo positivo, essa é uma grande descoberta, penso eu. O saber que a dor é boa. A matéria sobre isto está na revista superinteressante do mês de janeiro de 2009.
Você já conhecia esse mal ou essa síndrome? Eu não...
Ai! Estou com uma dorzinha gostosa... Nunca pensei que poderia dizer isso e assim, mas diante dessa síndrome parece que o que tem cara de má é boa, no caso da dor.
Abraço. Lourdes

EUFORIA... COMPULSÃO


Como vocês já devem ter observado, estou na fase eufórica da vida, ou seja, estou escrevendo... escrevendo... sem conseguir parar, e isso é fase eufórica e compulsão. Se é que isso pode se chamar de uma fase boa, é a fase em que nós bipolares aproveitamos para extravasar nossa arte, seja onde e como for. Essa fase faz com que façamos o melhor de nós fluir. É bom e legal, mas é somente uma fase e isso passa como tudo. Não se enganem se em alguns dias eu não mais querer nem chegar perto do computador para escrever, seja lá o que for e para quem for, é isso e assim que as coisas funcionam conosco. Um dia criamos muito e no outro nada. Por isso bipolaridade.
Mas enquanto estou na fase eufórica, vou escrever tudo o que possa interessar a vocês ou não, afinal como é uma fase, o interessar ou não a quem quer que seja, parece-me não ter a menor importância, embora sempre dou uma olhada para ver se tem algum comentário sobre o que escrevi o que significa que isso, o de não dar importância, não é 100% verdade, pois adoro saber como é que vocês estão vendo tudo isso, ou toda essa que sou eu. Rsrsrsr...
Interessante que li que nós que temos algo de timidez a net tira isso da gente, mas já escrevi sobre isso, que esse é um dos lados positivos da net, tira de nós a vergonha de dizermos o que pensamos, sem nos preocuparmos com o que possam estar pensando sobre isso, ou somente nos preocupamos um pouco, nada de preocupação exagerada.
Mas de volta a euforia, e deixando a fuga de idéias de lado. Rsrsrsrs... A euforia sempre tira de nós aquilo que temos de melhor, a nossa genialidade vem à tona e isso é maravilhoso.
Muitos pintores famosos da antiguidade ou até mais atuais sofrem de bipolaridade. Mas vamos vivendo e procurando tirar o melhor mesmo que seja algo considerado desequilibrado. Vamos procurar dar o melhor de nós e só isso como os grandes ou pequenos artistas, afinal o tamanho é de pouca importância, o importante é nos colocarmos a serviço. Pois para servir é que nascemos e existimos. Lembre-se: Você e eu existimos para os outros.
Abraço. Lourdes.

DOIDA DE PEDRA...
Na época em que fui acompanhada por um psiquiatra, eu disse a ele que tinha a impressão de que havia alguém que sabia de tudo o que acontecia comigo, às 24 horas de meu dia. Que pensava na possibilidade de ter alguma câmera oculta em minha casa. Rsrsrssr... Dá pra entender umas coisas dessas? O psiquiatra não cochilou encheu-me de remédios, pois pensava: ela está psicótica, doida de pedra, vou dopá-la. E assim fez. Como nós bipolares nunca deixamos de buscar respostas para nossas maluquices, não descansei enquanto não obtive as tais respostas. Primeiro uma pergunta: Como é que nossos psiquiatras e no caso do meu, sendo uma pessoa totalmente bem conceituada no ramo de psiquiatria e um grande psicanalista, não questionou o fato de que o que estava acontecendo comigo, isso mais ou menos em 1995, poderia ter algum fundo de verdade, ou algum fundamento mesmo que não fosse em sua área específica: a psicanálise? Penso assim: Todo bom psiquiatra deveria ter um conhecimento de várias coisas, antes de diagnosticar alguém como bipolar, ou seja, lá que rótulo seja nos dado.
Mas tudo bem...
O que descobri sobre o ter pessoas 24 horas nos observando? Simples. Temos o inconsciente coletivo que age em nós, e em nosso cérebro, e que essa ação em alguns é algo muito mais eficiente e eficaz que em outros, ele CAPTA como uma parabólica o pensamento coletivo. Só isso. Nosso cérebro não tem a capacidade de filtrar o inconsciente coletivo, ele filtra sim, ou seja, captamos somente coisas que estão ligadas aos nossos desejos e anseios, tipo assim: no meu caso, como gosto de saber tudo o que posso sobre o ser humano e estou muito ligada à religião, como uma antena, meu cérebro capta somente coisas de meu interesse pessoal, meu cérebro ATRAI isso, digamos assim. Estou sendo clara? Ou pra você isso é muito difícil de ser compreendido. Eu vivo uma espécie de comunhão com pensamentos e sentimentos iguais ou parecidos com o meu. Só isso. Mas não me conformo dos médicos que se dedicam a estudar nosso psique, o não observarem esse fenômeno em nós. E diagnosticar como psicose ou delírio, ou seja, lá o que for. Que triste saber que nós mesmos temos que ir atrás das respostas para nossos males, e ver que somos normais, só que temos uma capacidade maior que os demais. Somente isso, uma capacidade, uma sensibilidade maior que os outros que são tidos como normais por não possuírem esse potencial cerebral.
Por isso nem sempre acredite em tudo o que lhe falam. Corra atrás para saber o que de fato está por trás das coisas que acontecem com você, pois tudo tem uma resposta coerente, pode acreditar.
Depois que descobri que aquilo que parecia ser um delírio psicótico é somente isso, essa capacidade, fiquei mais tranqüila quanto a isso. Sei que não tenho uma câmera me observando. Rsrsrsrs... Mas sei que vivo uma comunhão de pensamentos e sentimentos com muitos e pessoas muito parecidas comigo. Pessoas que se preocupam com o bem comum. E somos um, pode acreditar. Somos um com tudo o que está ao nosso redor. Espero que nossos psiquiatras já estejam acordando para essa realidade. Pois isso está tornando-se uma realidade entre nós seres humanos e normais. Fiquem tranquilos se vivem a vida desse jeito. É somente um jeito maravilhoso de ver e viver a vida. Somente isso. Vida em comunhão.
Abraço materno. Lourdes Dias.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

PIMENTA NO OLHO DO OUTRO É COLIRIO E REFRESCO PRO NOSSO


Será que com você acontece assim também? Meu plano de saúde é o SUS, plano de saúde do governo. Temos bons médicos aqui em Lorena. Bons? Nãooo... Ótimos. Mas vou contar uma história que vivi aqui em meu postinho de saúde. Eu tinha ido ao banheiro e para minha surpresa, faltava o essencial: papel higiênico. Isso aconteceu uma vez e me vi em apuros, mas tudo bem. Tudo bem não! Tudo mal!
No outro dia quando voltei, já fui prevenida, pois caldo de galinha e prevenção nunca fez mal à ninguém, a não ser que a mesma e tal ave esteja com gripe, daí é outro assunto. Rsrsrsrs...
Mas no dia em que esta história aconteceu, eu estava sem papel higiênico ou jornal... Rsrsrsrs... E também sem o bendito dinheiro para o caso de emergência. Daí aconteceu algo verdadeiramente inusitado... Um senhor, bem velhinho, foi usar o banheiro, mas ele tinha que fazer o número 1 e o número 2, e daí? Vocês podem imaginar a cena? Não tinha papel higiênico. O velhinho não contou até três, abriu um berreiro, que garganta boa a dele, e gritava assim: NÃO TEM PAPÉR, GENTE! Arrume “papér” higiênico prá mim! Tô preso aqui na privada e não tenho como sair.
Que situação! Rsrsrsrs... Só estou rindo porque pimenta no olho do outro... vocês já sabem. Mas se fosse comigo, não acharia o mesmo. Mas depois que fui de um lado para o outro e nada de conseguir o tal “papér” pro coitado, a pessoa que era responsável por ele apareceu. Isso depois de algum tempo, que para mim e para o velhinho pareceu uma eternidade. Depois da pessoa que cuidava dele aparecer, comprou o papel higiênico e tudo se resolveu.
Rimos bastante, pois mais parece uma tragédia grega em pastelão que qualquer coisa, tipo assim: só acredito vendo, coisa de São Tomé, mas isso é real, isso é vida real.
O nosso SUS daqui está precisando de uma boa melhorada a começar pelo papel higiênico, acha não? O daí também?
Abraço. Lourdes.

QUANDO DIZER BASTA


Ouvi um depoimento de uma mãe há muitos anos atrás. Dizia que era divorciada, divorciou-se por incompatibilidade de gênio, ou seja, seu gênio não combinou de jeito nenhum com o do ex-marido, daí não tiveram como conviver, pois a convivência tornou-se um inferno para ambos. Impossível mesmo!
Mas ela deparou-se com um novo inferno, não conseguiu conviver com o gênio ou temperamento do marido, teria que conviver com o do filho que era do mesmo temperamento que o marido. E daí? Como ela resolveu isso. Muito simples... Esperou que o filho adquire-se certa idade e disse a ele: Ou você obedece às regras daqui de casa, tipo: não usar drogas, de nenhuma espécie. Ou você aprende a me respeitar como mãe, e não fazer como seu pai fez comigo, ou então, sinto muito, mas não quero você morando comigo. Nessa época o filho ainda era muito jovem, talvez uns 20 anos, penso eu. Mas como o filho não quis obedecer às regras da casa e não quis saber de tentar pelo menos respeitar a mãe, pelo simples fato dela ser isso: sua mãe... Então o melhor foi ele ir morar fora de casa. Inicialmente ele foi morar com parentes, depois com o pai ou próximo dele e daí conseguiu viver sozinho. Somente depois de muitos anos, talvez uns 10 anos, depois de muito sofrimento para ambos, mãe e filho, somente depois disso, é que ele amadureceu e viu que deveria respeitar sua mãe e ajudá-la inclusive com os outros irmãos. Viu que sua mãe tinha razão em relação ao uso de drogas, que isso realmente era um grande mal. Daí sim, não voltou mais para casa, pois aprendeu a se virar sozinho, tornou-se um bom homem, amadureceu e hoje está um filho maravilhoso, mas isso depois de muito sofrimento e lágrimas. Essa mãe chorou muito por ter que tomar essa decisão difícil, por achar-se na obrigação de ter que aturar a falta de respeito do filho para com ela. Ele realmente era bem grosso e mal educado mesmo, mas a vida o lapidou. Aquilo que a mãe não conseguiu, o sofrimento e a vida o ensinou.
Interessante como essa história da vida real teve um final feliz. Nunca pensei que filhos longe dos pais pudessem ser felizes e se acertarem; amadurecerem e tornarem-se pessoas melhores que quando estão conosco. Mas nesse caso foi bem assim que aconteceu. Interessante! A males que vem prá bem.
Não se iludam tal pai... Tal filho.
Portanto pensem bem antes de terem filhos, vejam se seus parceiros não têm temperamento ou algo neles que você não suporte, pois talvez tenha que vir a suportar isso em seus filhos. Pense bem!
Abraço.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

FATOS E VERDADES BÍBLICAS


Estive pensando um pouco sobre isso: E se alguém depois de anos de pesquisas, descobrisse que os fatos e verdades bíblicos, não são fatos e nem verdadeiros, o que aconteceria com você? Você perderia sua fé? Pergunto a mim mesma.
Claro que não!!! Mas... por que não?
Porque minha fé em Deus não vem somente dos escritos da Bíblia que por mais inspirados que sejam, são feitos por pessoas normais, imperfeitas como todos nós. E que lá pode ter algum dedo de coisas que não são da vontade de Deus, claro que pode. Interesses políticos? Também. Interesses pessoais? Sim.
Mas não sei como explicar isso para você, mas é assim que penso hoje: A Bíblia para mim é tão somente um meio e não um fim para chegar onde quero. Mas onde quero chegar? Chegar a conhecer o verdadeiro Amor de Deus por mim e pela humanidade, só e tudo isso. Na verdade os livros que a Bíblia contém, me ajudam ao auto conhecimento e ao conhecimento do outro, para que possa alcançar um maior equilíbrio e paz interior. Penso que essa biblioteca que é a Bíblia, tem tanta sabedoria guardada, na qual eu confio, porque tento colocar em prática e funcionam, e contra fato não há argumento, sempre digo e repito isso. Se eles falam, eu faço e aprovo, então não pode ser ruim, se fazem de mim um ser humano melhor. Então se alguns exageros ou erros forem cometidos por quem quer que a tenha escrito, não mudará em nada minha posição em relação a fé. Como disse, minha fé está muito acima e muito além dos escritos.Tenho fatos comprovados que fazem com que minha fé se fortaleça e isso me basta.
Parece coisa de pessoa irracional isso? Pessoa tipo Maria vai com as outras? Se você pensar que sim, tudo bem, pois cada um pensa o que, e como quer, e somente digo o que estou pensando atualmente. Amanhã? Sei lá. Amanhã vai ser outro dia e como sempre dizemos lá em nossas Aldeias de Vida: Tenha paciência comigo, pois Deus ainda não me terminou. Ou seja, estou em estado de feitura e nem de acabamento, ainda bem, pelo menos espero que não, pois se estiver na parte final e de acabamento, é porque já está na hora da volta. Da volta para o lugar de onde saí ou vim. Meu lugar é o céu. E o seu? Espero que também. Um dia nos encontraremos lá, se Deus quiser, mas por enquanto trocaremos figuras, está bem?
Abraço. Lourdes.

AINDA SOBRE FAZENDA E ESPERANÇA


Sabe como Frei Hans trata suas ovelhas com AIDS, e terminais? Acho interessante esse pensamento dele diante da morte. Ele explica aos pacientes terminais ou não, que a morte é algo que acontecerá a todos nós quer queiramos isso ou não, quer saibamos disso ou não. Ele diz assim aos internos: Sabe qual a diferença entre você e eu sobre a morte? É que você sabe que poderá morrer mais cedo, e eu não. Você pensa ter uma previsão de sua morte e eu não. Eu poderei cair mortinho agora mesmo. Entende a diferença?
Achei interessante esse tipo de visão sobre a tal morte, mas não é que é verdade mesmo? Sempre achamos que um paciente em fase terminal morrerá antes e primeiro que nós, mas isso não é verdade, não é que poderemos nesse momento ter um enfarto fulminante e morrermos agorinha mesmo? O que impede isso de acontecer? Nada.
Então para que ficarmos pensando em como e quando morreremos e se morreremos primeiro que quem quer que seja? Devemos levar as pessoas a viverem e somente isso, pois se ninguém sabe a bendita hora de voltarmos para o Pai... É ou não é verdade?
Você acredita que tenho um conhecido que se jogou na frente do trem em movimento e que ele não sabe como e nem porque não morreu? Perdeu alguns membros e somente isso, mas ficou vivinho em folha. Nem ele mesmo sabe o porquê de ter sobrevivido, já que se jogou literalmente em baixo do trem. Coisas da vida... Coisas inexplicáveis...
Então para que gastarmos tempo e dinheiro com essas bobagens? Vamos viver e pronto.
Abraço. Lourdes.

FREI HANS: FAZENDA DA ESPERANÇA


Fazenda da Esperança, fazendo esperança.
Uma conhecida minha, interna da Fazenda da Esperança, me deu um depoimento assim: Ela estava muito infeliz, frustrada, daí Frei Hans, um paizão, diga-se de passagem, um coração enorme e acolhedor disse a ela: “Minha filha, Deus não está preocupado com seu sucesso, nem se você está ou não bem sucedida na vida, Ele só quer sua fidelidade, só isso.” Interessante como essa simples frase, acalmou o coraçãozinho atribulado dessa minha conhecida. Ela começou a cobrar-se menos. Menos perfeição. Se não obtivesse sucesso em algumas coisas, se fraquejasse e caísse, sabia que Deus já sabia que ela poderia não obter o tal sucesso que ela esperava. Tomou consciência de que Deus não lhe cobrava nada e nem coisa alguma. Conseguiu ter um pouco de paz por conta de deixar de se cobrar tanto. Cobrança de ser bem sucedida em tudo e em todas as áreas. Isso a levava a frustração a cada tentativa fracassada. E pensou assim: Se Deus não me cobra nada disso, por que deveria me preocupar ou permitiria que outros o fizessem: cobrassem-me? Isso fez dela alguém mais em paz, pelo menos em relação ao sucesso.
Às vezes queremos exigir de nós mesmos, mais do que até o próprio Deus o faria. Deus jamais cobraria de nós algo que não pudéssemos dar. Aliás, Deus não é sinônimo de cobrador, então por que fazemos isso o tempo todo conosco mesmos? Essa dureza de coração! Segundo Jesus, Deus é sinônimo de Amor. Deus é sinônimo de Pai.
A cobrança deixe para lá.
Abraço. Lourdes.

PORQUE NÃO EU?


Refletir um pouco sobre isso é legal, penso eu.
Não é verdade que normalmente quando acontece alguma desgraça em nossas vidas, a primeira pergunta que fazemos é essa? Por que eu? Por que comigo? Por que morreu esse jovem meu parente e desse jeito? Por que fiquei doente? Por que esta desgraça está acontecendo justamente comigo?
Daí que tal pensarmos de forma não egoísta e dizermos assim: Por que não eu? Por que não comigo? Por que sempre penso que o mal e a maldade, na nossa maneira de ver a doença, a morte, a falta de alguma coisa que consideramos importante, deveria acontecer somente com meu vizinho, ou com o outro e não comigo. Não é verdade que quando acontece com o outro, nada nos perturba, mas basta que comece em nós e em nossa casa, lá vem a tal pergunta.
Devemos entender que a morte, a doença, a fome, a guerra é algo que acontece e pode acontecer com todos e com qualquer um de nós. Que independente de nossa raça, religião, ou nossas diferenças, essas coisas são fatores naturais a que todos nós estamos sujeitos.
Talvez mudar a maneira de questionarmos a respeito dessas coisas negativas, faça com que pensemos assim: Se nosso vizinho passa e passou por isso, em que sou melhor que ele e não passarei ou passaria também? Somos todos seres humanos e todos passamos por perdas e sofrimentos. A maneira como devemos ver isso é que deve mudar. Creio que se mudarmos o foco, a cruz pesará menos.
Abraço. Lourdes.

IN GOD WE TRUST


Isso é o que está escrito na nota de 1 dólar.
Interessante que mal conheço nossas notas e o que vêm escrito nelas, mas quando meu cérebro estava a toda para discernir linguagens subliminares, algo me chamou a atenção na nota de 1 dólar.
Que dificuldade em encontrar uma, mas finalmente achei uma que um amigo nosso deu para as crianças.
Daí fiquei questionando: o que significa essa frase escrita na nota de 1 dólar? Não sei se está escrita em todas as outras notas, pode me imaginar cheia de dólares, talvez em sonho. Rsrsssss... Pode ser que esse lema esteja em todas as notas, procure no google, pois estou com preguiça de fazer isso. Mas tudo bem... O que me interessaria saber esse tipo de coisa? Fui traduzir e no dicionário que encontrei, estava traduzido assim: “Em Deus nós negociamos.” Achei esquisito. Fui procurar no google e lá traduz assim: “Nós confiamos em Deus.”.
Agora lendo sobre a nota de 1 dólar fiquei sabendo que não somente temos esse lema nela, mas muitos outros símbolos que podem significar inúmeras coisas. Simbologias que nem imaginamos que existam. Esse lema é maravilhoso. Interessante!
Fico abestalhada por saber como nosso cérebro é uma máquina realmente fantástica, chegar aos mistérios da simbologia sem nunca ter lido ou nem pensado sobre isso. Interessante que de início essas coisas sempre me pareceram estranhas e coisa de louco mesmo. Não sabia onde eu iria chegar tendo esses conhecimentos.
A conclusão que cheguei é que todos somos iluminados e podemos atingir a iluminação de nosso cérebro, só que alguns que conseguem chegar até ela, não querem partilhar isso com o resto da humanidade. Mas por que não querem? Por que querem que somente alguns tenham parte nesse bolo e não todos? Simples! Poder. Quem consegue caminhar pelo caminho do auto conhecimento vai descobrir que é capaz de realizar tantas coisas, quanto ao mais inteligente dos homens, tipo Salomão. Todos temos um Salomão dentro de nós. Todos temos a Sabedoria de Salomão que é divina em nós, sejamos ricos ou pobres, estudiosos ou não. Essa particularidade está disponível a todos e a qualquer um de nós. Só que os tidos como sábios não querem que saibamos isso. Assim fica fácil nos MANIPULAR. Fazer com que andemos por caminhos onde os poderosos traçaram para nós, ao invés de seguirmos nosso próprio. Manipular, para ter o poder sobre a humanidade. Todo ser poderoso, menos Jesus, quer isso: manipular, aprisionar o outro para conseguir seus próprios interesses.
Só que Deus em sua infinita misericórdia jamais permitiria que isso acontecesse por muito tempo, um dia isso teria que acabar, e daí surgem às pessoas, simples donas de casa, como eu e você. Pessoas simples a quem Deus quer dar a graça do conhecimento de Suas coisas, para que nada fique escondido a nossos olhos, aos olhos dos que confiam Nele.
Viu como é bom ter um Deus e Nele confiar? Sei que todos somos agraciados e iluminados e quando tomarmos conhecimento disso, ninguém mais nos manipulará. Descubra essa luz que há em você e mãos à obra.
Abraço. Lourdes.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

ATIVISMO


Quando corremos numa luta desenfreada contra o tempo, e queremos abraçar o mundo com as pernas, braços e todo o corpo se fosse possível, podemos cair no excesso, e todo excesso sempre faz mal e é prejudicial. Quando corremos muito seja por qualquer motivo, estamos fazendo algo que nos prejudica.
Quais as conseqüências do ativismo: a principal conseqüência é o fazer esvaziar totalmente o nosso ser. Não se engane! O excesso do fazer, com certeza nos deixará vazios. Vazios de nós mesmos. Temos que ter equilíbrio em tudo.
Há um tempo debaixo do céu para cada coisa e se não respeitamos essa lei natural, estamos nos prejudicando.
Há um tempo para o trabalho.
Há um tempo para o descanso e lazer.
Há um tempo para dormirmos e nos alimentarmos.
Há um tempo para cuidar dos outros e de nós mesmos.
Enfim esse equilíbrio é necessário senão adoeceremos física, psíquica e espiritualmente, o que é mais triste. Ficamos vazios em todas essas áreas.
É comum ao sacerdote que optou por gastar-se para que o reino de Deus aconteça, cair nessa armadilha, e sua vida diminui sensivelmente. Morrem precocemente, sendo que é penoso ao Senhor ver morrerem seus fiéis, isso não é e nunca será a vontade de Deus a nosso respeito, se pensamos assim, estamos redondamente enganados, sede sóbrios. Sobriedade em tudo é a lei de Deus sobre nós.
Quando alguns sacerdotes começam a entrar por esse caminho, Deus permite que eles adoeçam para colocarem sua vida e sua mente em ordem, para que possam recomeçar mais da maneira correta, com moderação. A cama e o nosso travesseiro sempre serão nossos melhores conselheiros. E daí fazemos a tal pergunta? Por que Deus permitiu que eu adoecesse justamente agora que estou em plena atividade? Porque você não está somente em plena atividade, mas num pleno e completo ativismo, só por isso.
Pense muito bem! Se estiver cometendo esse pecado consigo mesmo, caía em si e na real, volte a sua vida de oração e peça ao Senhor o verdadeiro equilíbrio e Ele que é Pai, fará e lhe dará isso.
Abraço. Lourdes.

A MAÇONARIA E EU


Tinha um casal amigo meu que era maçom. Pessoas fantásticas, divinas, maravilhosas, gente boa mesmo eles eram, agora já falecidos, morreram em acidente automobilístico. Mas eram pessoas muito próximas de nós. Como lutamos sempre com muitas dificuldades para sobrevivermos, esse amigo maçom, convidou o Alfredo para fazer parte de sua loja maçônica. Como para você fazer parte da maçonaria você tem que ter o aval de sua esposa, o Alfredo veio me pedir para deixá-lo fazer parte. Qual foi minha resposta? Vocês já imaginam né mesmo?
Falei para o Alfredo que a maçonaria poderia ser uma coisa boa e que nunca vi realmente maçons em situação financeira ruim. Eles sempre têm uma vida, se não riquíssima, mas financeiramente equilibrada, que eu agradecia muito o convite, mas minha resposta era não, pois a maçonaria vai totalmente contra minhas convicções.
Alfredo ficou mal, por passarmos por crises financeiras horríveis e a tentação era muito grande, mas respeitou minha decisão, mesmo que não quisesse, mas a partir do momento que éramos casados, sem minha assinatura ele não poderia fazer parte da irmandade.
Por que você não quis? Simples...
Penso assim, quando uma coisa é muito boa para o ser humano, ela não deve ser mantida em segredo. Só por isso. Como é que você descobre uma coisa maravilhosa, que faz de você uma pessoa iluminada e diz que mais próxima de Deus, e se recusa a partilhar com seus irmãos? A partir do momento que uma coisa é considerada um grande bem, mas fica reservada a alguns, isso significa: poder retido. Retido somente para poucos, e isso é errado. O poder deve ser dado a todos. A vida digna deve ser compartilhada a todos e não somente com alguns, talvez pelo fato de pensarmos que somos somente nós os iluminados e que isso é reservado somente para alguns, grande egoísmo isso. O bem deve ser mantido em total transparência e não com discrição ou secretamente. Penso que estou sendo muito clara em relação a isso.
Amava muito esses meus amigos maçons, e nem me importava por seguirem essa irmandade, pois cada um segue de acordo com suas convicções e nunca deixei de amá-los ou respeitá-los por conta disso e vice-versa, nós nos amávamos e ponto final. Mas o seguir a loja deles, isso estava fora de minha convicção. Somente algumas coisas eu sabia sobre a maçonaria: que eles se comunicam através de sinais ou símbolos. Que a família é algo importante. E não muito mais que isso. Pregam a igualdade e a fraternidade, embora queiram reter o poder somente em suas mãos. Coisas assim. Pequenas e grandes coisas que todos deveríamos ter acesso. O acesso ao bem e ao poder deve ser para todos. Quer conhecer uma pessoa? Dá-lhe poder e verá se ele é bom ou não.
Penso que tudo o que foge daquilo que estamos convictos de estarmos certos, não deveríamos praticar. Penso eu...
Abraço. Lourdes.

REI SALOMÃO


Pessoa riquíssima, de Deus e cheio de sabedoria. Um homem rico e poderoso, mas que não se deixou levar pela riqueza, decidiu-se por algo maior: a Sabedoria, não humana, mas divina. É esse tipo de escolha que devemos fazer todo o tempo. Escolher o essencial para sermos felizes e fazermos os outros felizes também.
Por que decidi escrever sobre Salomão? Para que não pensem que quem é rico não é de Deus e coisa e tal. Deus veio para todos e embora eu seja pobre e viva somente com o essencial e estritamente necessário para minha sobrevivência, não significa que não saiba que têm pessoas riquíssimas e maravilhosas, nada apegadas a esses bens, por saberem que são passageiros. O segredo está em amar. Se você é rico ou riquíssimo, mas decidiu-se pela sabedoria, por fazer o bem e evitar o mal, você é um ser pleno dos dons e da graça de Deus. Sua riqueza material usada para fazer as pessoas felizes também é uma grande maravilha.
Deus não faz acepção de pessoas. Deus ama a todos. Mas a necessidade de escolher entre a vida e a morte espiritual é urgente. Escolha, pois a vida, seja lá quem você for ou que situação de vida esteja, seja ela privilegiada ou não.
Escolha a melhor parte, só isso, e seja feliz.
Abraço. Lourdes.

FAMA, SUCESSO, DINHEIRO, ATRAÇÃO FÍSICA...


Certa vez passei os olhos pela tv e vi uma entrevista muito rápida, porém muito interessante de uma senhora americana, idosa, porém ainda bem conservada. Ela estava contando sobre suas experiências em seitas satânicas.
Disse que ainda muito jovem e com grandes dificuldades em todas as áreas de sua vida, conheceu uma dessas seitas satânicas, nos EUA, e se decidiu por fazer parte dela, já que lá eram oferecidos: fama, sucesso, dinheiro e atração física, coisa que todo ser humano quer para si.
Entrou e fez todos os pactos pedidos por eles, não me lembro bem quais eram. Depois disso sua vida deu uma guinada de 180%. Diz que além de ter tudo o que eles ofereciam ainda possuía certos poderes, como andar sobre fogo ou brasas sem se queimar e muitas outras realidades espirituais. Ficou algum tempo nessa seita. Percebia que mesmo tendo tudo isso: era rica, bem sucedida, famosa, atraía quem ela quisesse, como e quando quisesse, tinha todos a seus pés, muitas jóias, pois seus parceiros a cobriam delas. Mas não era feliz e nem se sentia amada por ninguém. Um dia passando por uma pequena comunidade evangélica, ouviu sobre um Tal Jesus. E as pessoas contaram tudo o que Jesus fez pela humanidade e como fez tudo por Amor, e como deixou tudo por Amor. Deixou poder, fama, sucesso e dinheiro por Amor.
Ela sentiu-se absolutamente tocada por esse Amor, e pensou: “Nunca me senti amada dessa forma e nem sabia que Alguém me amou assim, enquanto ser humano. Vou procurar saber mais sobre Ele.” Ela foi literalmente fisgada por Jesus e por Seu Amor.
A partir daí, decidiu largar a seita da qual fazia parte. E passou a seguir Jesus. Converteu-se por causa do Amor.
Jesus é maravilhoso, ou não é?
Disse que o caminho contrário ao que ela tinha se decidido é bastante difícil de trilhar, já que quando você dá sua vida ou alma ao mal, isso tem um preço. O deixá-lo existe uma cobrança muito grande, sempre se tem a vontade de voltar ao antigo caminho ou a vida velha e o mal exige o tempo todo isso de você, já que pensa que você é dele. Nunca se esqueça disso: o mal é verdadeiramente mau. Disse que é uma batalha constante, mas não se arrepende por ter deixado tudo por um grande amor.
Hoje ela anda por diversos lugares, dando testemunho de sua vida, e de como o Amor de Jesus é maior do que tudo o que possamos querer ou desejar.
Diz que é feliz agora, com Jesus. Que em Jesus ela de verdade descobriu a verdadeira felicidade.
Olha que mulher maravilhosa! Depois de ter todos os bens que um ser humano anseia, tudo materialmente falando, descobrir que lhe faltava o ESSENCIAL, que é o Amor de Jesus, e deixar tudo por Ele. Corajosa! E ter a coragem de dar testemunho disso, é bem legal mesmo. Pois contra fatos, nenhum argumento pode convencer.
Abraço. Lourdes.