quarta-feira, 21 de outubro de 2009

SANTO? TALVEZ... PE. HUGO GRECCO


Vou dar algumas pinceladas somente, pois convivi pouco com esse ser humano admirável. Que pena! Ele sempre vinha até minha casa para fazer a entronização do Sagrado Coração de Jesus e Imaculado Coração de Maria, e muito nos alegrava com suas visitas.
Pe. Hugo era alguém preocupado com os paupérrimos, pois pobres ultimamente quase todos somos, mas paupérrimos, os marginalizados, eram esses que ele mais amava.
Era místico. Contavam que o viram uma vez receber um botão de rosa, e o mesmo estava suspenso no ar. Achavam isso interessante por demais. Quem estava segurando o tal botão? Sei lá, mas que viram isso, viram.
Outras vezes, viram-no levitar enquanto dormia. Um pequeno detalhe: quanto a seu colchão ele fazia questão que fosse bem duro e ruim para dormir, pois se seus pobres nem tinham onde dormir, como ele se daria ao luxo de ter algum conforto?
Ele foi visitar uma doente e a mesma não podia sair da cama, contam que ele não conhecia nem a doente, muito menos sua casa, e mesmo assim disse para a pessoa que estava com ele: Entre lá, pegue a chave que está pendurada em tal lugar e abra a porta. Pule pela janela, pois uma alma precisa ser salva. Tinha ido levar a unção dos enfermos. Como é que ele sabia direitinho onde estava a chave sem conhecer a casa? Sei lá, mas dizem que tudo aconteceu assim.
Uma amiga em comum nossa me contou que lhe passou uma repreensão. Disse a ele: Não vou lhe dar mais nenhuma roupa e nenhuma sandália, já que gostava de usar a sandália tipo franciscana, não lhe dou mais nada, pois se você dá tudo o que lhe compro para os pobres, pra que vou me preocupar com você? E ele não estava nem aí, continuava dando tudo aos pobres. E dizia a essa nossa amiga: Pára com esse negócio de falar por aí que sou santo, pois depois que eu morrer ninguém se lembrará de rezar nem uma Ave-Maria por mim, por acreditarem nessas bobagens. Pára com isso! E não se esqueça de rezar por mim quando eu morrer.
Um amigo em comum me disse que foram levar comida, cestas básicas, a uma casa bem pobrezinha e que lá encontrou uns homens negros e muito fortes, pelo menos aparentemente, e repreendeu o Pe. Dizendo: O senhor não está vendo que esses homens são fortes, e preguiçosos? Bota eles pra trabalhar padre, ao invés de sustentá-los. Pe. Hugo somente lhe respondeu: Ele pediu comida? Sim. Então lhe dê. Só isso. Olha que pessoinha fantástica.
Pe. Hugo: meigo, alegre, descontraído, humilde e ao mesmo tempo recolhido em suas orações. Um homem muitas vezes tímido e de poucas palavras. Fala mansa e delicada, aliás, um artista, tocador de violino como somente ele sabia tocar.
Alma de artista. Amante de Jesus e de seus pobres.
Até hoje nossa sociedade dá cesta básica aos pobres em honra a esse santo Pe. Hugo. E sempre nos é falado assim: Nossa coleta do dia de hoje é para a cesta básica das famílias pobres do Pe. Hugo e de Dona Dalva, colaboradora dele. Ambos já falecidos.
Saudade de Pe. Hugo e peço a ele que interceda por nós, pois com certeza está em ótimo lugar.
Isto é ou não exemplo de vida e vida em santidade?
Abraço. Lourdes.

Um comentário:

  1. luis fellipe coelho01 novembro, 2016 18:41

    Pe.Hugo era extremamente puro.Impossivel ver alguma maldade em sua pessoa, era uma criança grande,sempre alegre e puro demais em todos os seu gestos e atos e lembrava muito ch.xavier.

    ResponderExcluir